terça-feira, 4 de julho de 2017

[Resenha] Dezesseis, Rachel Vincent

Título: Dezesseis
Autora: Rachel Vincent
Editora: Universo dos Livros
Páginas: 240
Onde comprar: Amazon | Saraiva

Dezesseis é uma das apostas da Universo dos Livros. A editora investiu em divulgação desse livro e, como era esperado, fiquei interessadíssima em fazer a leitura. Tanto que não estava disposta a comprar o livro físico, pois queria na hora. Comprei o ebook na Amazon e, assim que fiz o download, comecei a leitura. Sim, ele passou na frente de todos os outros livros. 
“Em um mundo em que todos são iguais, ela ousou sair do padrão”

Nessa distopia, conhecemos Dahlia 16, uma garota que foi “produzida” com outras 4.999 garotas. Ou seja, existem cinco mil rostos iguais ao dela na cidade onde vive. Ela está estudando para ser agricultura e, modéstia à parte, ela é realmente boa, principalmente, com tomates. Por ser boa no que faz, Dahlia é convidada ao prédio da Administração, pois acreditam no seu potencial de instrutora.

“– Dahlia, enquanto seus esforços continuarem a glorificar a cidade, você tem uma boa chance de ser escolhida como instrutora. Mas a cidade de Lakeview não tem espaço para ego ou orgulho próprio, e a Administração não recompensará nada disso colocando você numa posição de autoridade e instrução de jovens mentes. Você é apenas um pixel entre os milhares necessários para formar uma imagem clara, então precisa se concentrar nessa imagem geral. Se sua arrogância for considerada uma falha genética, a Liderança não terá escolha a não ser recolher todas… – ela olha para alguma coisa na tela de seu tablet – … as cinco mil espécimes do seu genoma. Você entende o que isso significa?”

Após conversar com uma das mulheres da administração e uma demonstração errônea de suas ambições, Dahlia entra no elevador para voltar para seu posto e conhece Trigger 17, um cadete que conversa com ela quando o elevador para. E é aí que tudo muda. Trigger vê Dahlia como uma mulher linda, única e apaixonante. Mas eles foram programados para não sentir isso, para serem iguais, como poderiam se distinguir entre cinco mil outras pessoas iguais? 
“– Você é bonita, Dahlia.
Franzo a testa e volto a atenção para seus olhos. “Bonita” não é um conceito que se aplica às pessoas. Há beleza no arco gracioso de uma vinha delicada ou na perfeição redonda de uvas prontas para serem colhidas. Há beleza na margem irregular do lago que dá nome à nossa cidade e na explosão de cor que toma conta do céu ao pôr do sol.
A natureza está repleta de beleza, mas nós não fomos feitos pela natureza. Fomos feitos pelos geneticistas – cientistas do Departamento de Especialistas, que sabem como montar o DNA humano como um pedreiro monta prédios, juntando cuidadosamente os componentes necessários até que o resultado tenha a forma e a função desejadas.
Forma.
Agora entendo. Não sei se a palavra “beleza” pode ser aplicada ao meu genoma, mas de repente o termo parece feito só para descrever o dele.”

As expectativas para ler esse livro estavam nas alturas e a decepção foi tão grande que não tenho palavras. Minha primeira ressalva com relação a esse livro é a falta de explicação no começo. Somos jogados em uma sociedade que não entendemos como funciona direito e que não sabemos como chegou até esse ponto.

Depois que “superei” isso e comecei a me encontrar na história, ela fluiu muito bem e fiquei ávida para saber o que iria acontecer, pois estava torcendo muito para que as coisas dessem certo, para que Dahlia e Trigger ficassem juntos, para que eles conseguissem superar todos os problemas. Aí aconteceu uma coisa que me chocou, me fez ler ainda mais rápido e todos os outros acontecimentos que vieram depois fazem parte da minha segunda ressalva; eles aconteceram rápido demais e fiquei perdida novamente. Senti, nesse momento, que a autora correu porque estava atrasada e isso não foi legal, apesar de ter dado agilidade para a trama. 
“Nada mudou, que eu saiba, mas tudo parece diferente.”

Minha terceira – e última – ressalva, ficou por conta do final. Quando vi que estava faltando pouco para concluir a leitura, percebi que faltariam páginas para a conclusão do livro e tomei outro banho de água fria, pois o livro terminou numa cena que deixou com muita raiva. Raiva de verdade de um jeito que não sentia há muito tempo. Acho que a autora poderia ter colocado mais páginas – visto que o livro tem apenas 240 – e dado um final menos chocante.

Por fim, não posso dizer que a leitura foi de todo ruim, pois estaria mentindo. Os personagens são ótimos, eles têm boas sacadas e usam da confiança dos demais em seu favor, isso foi um ponto superpositivo.

Indico essa obra para todos que gostam de distopia, mas que estejam cientes desse final maléfico que a autora nos preparou. Fiz a leitura desse livro com a Amandinha, do blog Faces em Livros, e clicando aqui vocês podem conferir as impressões dela. 
“É fácil seguir as regras quando você nunca tem a oportunidade de infringi-las.”

Classificação:

18 comentários:

  1. Oi, Bruna! Que pena que a leitura não tenha saciado todas as suas expectativas. Penso que, quanto maior é nossa expectativa em relação a um livro maior é a decepção! O ideal seria lermos uma obra sem criarmos uma expectativa exagerada, mas é difícil fazê-lo, principalmente se a obra agrada muitas pessoas, logo então pensamos que a obra agradará qualquer um que o lê. No mais eu gostei muito da sua resenha. A capa desse livro é bem chamativa e, eu particularmente se tivesse a oportunidade eu o leria. Abraço!

    www.marcasliterarias.com.br

    ResponderExcluir
  2. Ola
    De fato, a divulgação sobre esse livro estava enorme. Porém, confesso que a premissa não chamou a minha atenção e não sei muito bem o que esperar deste enredo. Porém fico curiosa porque adoro distopias, então as características do enredo chamam a minha atenção por conta disso. Uma pena que sua experiência com essa leitura não se tornou tão positiva :(
    beijos, F

    ResponderExcluir
  3. Bom dia!
    Fiquei super interessado com a história do livro, principalmente por amar distopias, e até agora só tinha lido elogios sobre ele. Uma pena a leitura não ter te agradado completamente, é realmente chato quando o enredo é corrido e o final ruim.
    Abraços.

    Livroterapias

    ResponderExcluir
  4. Oi oi querida!
    Você acabou de me convencer a ler esse livro! Já havia visto algumas resenhas sobre ele, mas sempre protelei a leitura. Parece uma trama maravilhosa com algo inovador, o que torna o foco outro. Gostei muito da resenha, quero ler pra já!

    P.s essas fotos ficaram ótimas

    Beijoss, Enjoy Books

    ResponderExcluir
  5. Bruna, fiquei bem confusa se devo arriscar esta leitura, pois não quero sentir a mesma frustração que você sentiu com a conclusão da história. Acho a capa muito instigante, mas agora fiquei apreensiva...
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Acho que nunca li nenhum livro com a temática e devo dizer que acho que ficaria muito decepcionada com essa leitura também. Até mesmo filmes com a temática me deixam mais pra lá do que pra cá, então não acho que vou me arriscar com esse.
    Mas gostei do texto e é uma pena que não tenha sido de todo, maravilhoso para você.
    Beijos,
    As Meninas Que Leem Livros~

    ResponderExcluir
  7. Oi Bruna,
    eu estava interessada nessa leitura. Devo ter pegado umas poucas ações de divulgação da editora então não afetei muito com isso, então acabei perdendo o interesse bem antes do lançamento, quando o livro saiu já não queria lê-lo mais então acabei deixando pra lá. Essa é a primeira resenha que leio da obra e os pontos que te incomodaram certamente me incomodariam também, não sei se estou preparada para um final desses, então vou continuar com minha lista de leitura e ver se o interesse por essa obra retorna conforme for lendo a respeito.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Olá Bru, tudo bem?
    Eu acho essa capa bem interessante, mas não tinha lido nem a sinopse da obra.
    Achei bem interessante, mesmo com suas ressalvas, acho que daria uma chance a leitura.
    Ótima resenha, um beijo.

    ResponderExcluir
  9. Oie! Tudo bem?

    Eu amo distopia, mas infelizmente esse livro me pareceu mais uma grande loucura do que algo inovador! Sla a proposta dele não me convenceu e lendo a sua resenha noto que se eu realizasse a leitura dele sentiria muita raiva e não gosto disso, então com toda a certeza passo a dica!

    Bjss

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Ao começar pelo titulo da obra já não me chamou atenção, e após ver todos esses pontos negativos que você falou eu considero o livro ruim, parece que foi escrito apenas para ser mais um, então de forma alguma eu leria a obra.
    Abraços
    Dicas Literárias

    ResponderExcluir
  11. Oie, tudo bem?
    Eu amo distopias, porém odeio quando fazem isso de simplesmente nos jogarem sem dar um aviso prévio de como tudo funciona. Aconteceu assim no "Bussola de ouro" e eu abandonei a leitura imediatamente, quase. Li alguns capítulos e fiquei totalmente perdida, então sei como é frustrante :(

    ResponderExcluir
  12. Oi Bruna!

    Eu sei que não devia, mas confesso que ri quando você disse que tamanha foi a decepção que não sabia nem explicar, foi um pouco engraçado sim. haha
    É uma pena que o livro tenha esses pontos desagradáveis, porque a trama até parece legal. Eu gosto bastante de distopias, mas não sei se leria essa. De qualquer forma, foi muito bom ler sua resenha. Obrigada pela dica!

    Ingrid Cristina
    Plataforma 9 3/4

    ResponderExcluir
  13. Oi, Bru

    Você é como eu então. Agora entendi o que você comentou lá na resenha de A Melodia Feroz.
    Também gosto de saber como as coisas chegaram no ponto em que se encontram, não gosto de ser jogada na história, fico bem pau da vida com isso.
    E esse negócio deles se encontrarem e começarem a sentir coisas quando estavam "programados" para não o fazer é BEM BATIDO.
    Bom saber das suas ressalvas, pois acho que teria os mesmíssimos problemas.

    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Oi, Bruna! Tudo bem?
    Ah que pena o livro ter te decepcionado tanto, especialmente o final.
    O começo eu até entendo, porque é um erro que muitos autores cometem ao escrever livros de distopia. Não explicam direito como funciona aquela sociedade e deixam o leitor confuso. Mas esse final apressado e chocante, deve incomodar mesmo.
    Mas fiquei com uma dúvida: é um livro único ou uma série?
    De qualquer forma, gostei da sua resenha e, talvez um dia, arrisque a leitura do livro para ver o que acho.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  15. Oie!
    Estou com esse livro aqui na pilha para iniciar a leitura, e espero gostar bastante da história.
    Que pena que não apreciou totalmente da trama, mas mesmo assim, gostei do que apontou sobre a história.
    spero gostar desse livro.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  16. Oi, tudo bem?
    Eu confesso que não costumo ler distopias e que ainda não conhecia esse livro, mas fiquei curiosa com a premissa, pois toda essa coisa de existir mais 4.999 rostos iguais da protagonista é curioso, sem contar o fato delas terem sido produzidas. No entanto, fiquei desanimada ao ver que você se decepcionou com a leitura, pois faltou explicações e algumas partes foram rápidas demais,. Enfim, eu estava animada, mas dispenso a leitura agora.

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  17. Olá!
    Que pena que a leitura não funcionou muito com você. De fato, pela sua resneha, dá para ver que a autora não conseguiu desenvolver bem a narrativa, e acho um ponto super negativo isso de nos jogar direto nessa distopia sem maiores informações. Eu estava com as expectativas altas também, mas agora não vou esperar muito mais da obra.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  18. Olá!
    Não sabia muito desse livro, mas me instigou bastante essa parte te todas serem iguais, fiquei bem curiosa.
    Por mais que você tenha ressaltado alguns pontos negativos, eu vou dar uma chance, sua resenha me convenceu.
    Parabéns pela resenha.

    Beijos
    Leitora Dramática

    ResponderExcluir