sábado, 26 de novembro de 2016

[Série] 3%

Olá galera, como estão?

Ontem foi dia não só de Black Friday – onde torrei todo o dinheiro que tinha – como, também, dia de estreia na Netflix do primeiro seriado produzido pela mesma empresa no Brasil, a série 3%.


A série se baseia em futuro brasileiro onde apenas 3% da população conseguem passar para o lado de lá e viver no Maralto, um lugar onde tudo é perfeito. 3% teve como base gravações publicadas no YouTube, criado por Pedro Aguilera, após ler grandes títulos distópicos, como Admirável mundo Novo e 1984. A sacada de Aguilera foi usar os processos seletivos pelos quis passamos: vestibular, primeiro emprego, entre outros. E só posso dizer que deu muito certo.

O primeiro episódio mostra diversos jovens se dirigindo a um prédio e Ezequiel apresentando a nova seleção e estimulando os jovens a buscarem seus sonhos. Tudo é muito tecnológico dentro desse prédio, mas, quem vive fora, sabe como é viver em extrema pobreza e de uma forma nada humana. Eles estão em busca da meritocracia – vou falar sobre isso depois.
Michele
Todos os jovens são entrevistados e apenas os melhores são aprovados, mas a seleção não para por aí, eles passarão por diversos testes de inteligência, percepção, força, resistência, trabalho em grupo entre outros. Só que o processo de seleção está sendo observado de perto pelos ‘chefões’ uma vez que aconteceu uma coisa ruim do lado de lá e isso significa que a seleção não foi feita de forma correta.

Acompanhamos, principalmente, os personagens principais que estão no processo de seleção: Rafael, um rapaz que quer fazer de tudo para passar – e depois vamos entender o porquê -, Michele, uma moça que parece ser muito quieta e boazinha, mas que vamos conhecendo aos poucos, Joana, uma moça extremamente perspicaz, observadora e inteligente, Fernando, um cadeirante muito religioso que vê sua salvação indo para o outro lado e Marco, um líder nato que se vê do outro lado, pois toda sua família já foi aprovada.

Rafael

Também acompanhamos Ezequiel, que é o chefe do Processo, Aline, uma mulher enviada pelos ‘chefões’ para observar o que Ezequiel está fazendo, e Júlia, a esposa de Ezequiel.

Depois disso, teremos o desenrolar, onde através de muitos testes, serão selecionados 3% para passar para o outro lado.

Essa série é fantástica, sério, não tem outra palavra para descrevê-la. Assisti aos 8 episódios da primeira temporada de uma vez só e estou sedenta por mais.

Ezequiel
A atuação dos atores foi impecável e você fica com extrema dúvida, pois há pessoas que lutam para que esse mundo nada igualitário seja mudado e que todos tenham direito, são denominados Causa, e você se pergunta quem aceita esse mundo e quem está lutando para muda-lo. Tudo acontece de uma forma frenética, é muito bem amarrado e desenvolvido e é impossível parar de assistir e, ao final, temos uma surpresa sobre uma coisa que acontece do lado de lá, que foi bem interessante e deixou muitas outras dúvidas.

Agora, vamos falar um pouco sobre Meritocracia? A meritocracia nada mais é do que um sistema de recompensamento, como acontece no seriado. Os 3% irão para o Maralto, pois mereceram após passar no processo seletivo, é o mesmo que acontece em vestibulares e promoções em empresas. Entretanto, alguns sociólogos, filósofos e intelectuais ignoram a meritocracia como um sistema justo de hierarquização, pois a ascensão, nesse caso, não depende exclusivamente do esforço individual, mas também de oportunidades que cada indivíduo teve ao longo da vida. Por exemplo, é muito difícil vermos uma pessoa que cursou apenas em escolas públicas entrar em uma universidade pública – não que isso seja impossível – o mesmo acontece em 3%, muitas pessoas não têm como competir, não possuem conhecimento, então, o mérito é dado apenas uma elite que teve chance de se preparar para conseguir atingir um objetivo melhor. E isso não poderia ser mais injusto, não é mesmo?

Em suma, 3% é uma série com uma crítica social muito grande, que recomento, pois me fez olhar com outros olhos muitas coisas que vejo em nossa sociedade. Por favor, leitores, assistam essa série. E, querida Netflix, não demore a disponibilizar a segunda temporada, preciso saber o que acontece.

Beijos







17 comentários:

  1. Oi, Bru!
    A proposta dessa série é muito boa, sabe, essa emoção de pessoas concorrendo para passar para o lado perfeito. Eu tinha visto o trailer dela na Netflix, mas ainda não tive tempo de assistir.
    Bem, o ponto mencionado por você, a meritocracia, é um tema bastante relevante e pode ser discutido de várias maneiras.
    Apesar de existir teoricamente a questão dos direitos iguais para todos, numa situação como a referida na série (e também na nossa sociedade), qual é a classe que, geralmente, se sobrepõe? A mais alta. Como você colocou, a elite.
    Pelo que entendi, acredito que a crítica da série pode estar em cima dessa máscara que existe em cima do senso de igualdade ou justiça.
    Depois desse post sensacional, não tem como não ter vontade de assistir. Adorei saber que é brasileira também.
    Beijos
    Historiar

    ResponderExcluir
  2. Oi Bru, tudo bem?

    Tenho ouvido muitos comentários negativos em relação a série, mas não sabia da ideia do projeto. Foi muito bom conhecer um pouco sobre a história e me interessei bastante pela proposta do autor. Vou procurar para assistir!

    Beijos,

    Gnoma Leitora

    ResponderExcluir
  3. Oi Bruna, tudo bem?

    A Folha detonou tanto a série e o Omelete tb que já estava desistindo de assistir. Gostei de ler outro ponto de vista da trama, continuo curiosa pra conferir!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  4. Oi, Bruna

    Eu assisti ao piloto no YouTube e gostei bastante. Vou começar a assistir assim que entrar de férias, pois ou eu leio ou eu assisto séries, meu tempo anda corrido. Curiosamente você é a primeira pessoa que vejo elogiando a série, meu Facebook estava lotado de gente falando muito mal dela. Mas verei mesmo assim.

    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Brun, eu amei a série.
    Acho que os atores protagonistas (Michele e Fernando) tiveram dificuldades de entrar nos personagens no primeiro episódio e o romance talvez não tenha me convencido como deveria, mas, até disso eu gostei. Amei o final, estou apaixonada pelo Ezequiel, e a última cena dele foi uma libertação louca, ele desistiu da causa por ela ser uma ilusão e tá começando a ver que o processo tbm não é perfeito. Amei o final. Joana e Rafael são perfeitos, sério. A única coisa que eu odiei foi o destino de Julia, que eu amei absurdamente e achei a melhor interpretação por ter durado apenas um capítulo com tantas cenas em tantos tempo diferentes.

    ResponderExcluir
  6. Oi!
    Desde que essa série foi anunciada fiquei curiosa pra assisti-la pois ela tem uma proposta muito boa que vai além do entretenimento, fala de problemas reais da nossa sociedade e isso nos dá muito a pensar. Ainda não pude assistir ao episódios liberados mas tenho visto muitos elogios de quem já os assistiu e não vejo a hora de poder vê-los também pra poder opinar sobre o conteúdo.
    Beijos!
    Por Livros Incríveis

    ResponderExcluir
  7. Oiee Bruna ^^
    Eu tô doida para ver essa série, mas não tenho Netflix (e nem paciência para esperar minha internet carregar os benditos episódios), então ainda não vi nenhum episódio. Mas tem uma premissa incrível, essa crítica social e, por se passar no Brasil, me deixou ainda mais curiosa.
    MilkMilks ♥

    ResponderExcluir
  8. Olá, Bruna!
    Assisti 4 episódios da série de uma vez no meio da madruuga!
    Realmente é muito instigante!
    Gosto de livros, séries e filmes que abordam problemas e conceitos sociais.
    Amo refletir acerca disso.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  9. Bruna, arrasou na crítica da série. Eu terminei de assistir ontem e gostei demais, justamente por tocar nessa questão da meritocracia e de focar que "você é o criador do seu próprio mérito" e ficar enfatizando sempre essa fala do Ezequiel em momentos em que claramente não é possível que alguns consigam cria-lo. O próprio Ezequiel cria seu mérito a todo custo, mas no fim quase acaba sendo passado pra trás. Enfim, eu achei a série ótima, já vi muita gente falando mal, sem argumentos, somente porque é brasileira, puro preconceito. É uma pena que as pessoas não tenham captado a mensagem que ela passa e visto o quão interessante é. Não tô dizendo que a série é perfeita, mas reconheço que é muito boa.

    Beijinhos, Hel.

    ResponderExcluir
  10. Eu me sinto uma pessoa de outro planeta por ainda não ter me rendido ao Netflix... Mas não é por nada não, é que eu já praticamente não saio de casa, se eu assinar então? Acabou vida social...rs
    Embora não me pareça nada novo, achei a premissa interessante e pelos seus comentários a ideia está bem colocada, fazendo a gente refletir. Isso me faz pensar que nem sempre é preciso uma coisa muito inovadora quando ela é bem trabalhada.
    Não assisti, mas imagino que o outro lado não é a perfeição toda que aparenta ser e que talvez isso seja um bom ponto para a segunda temporada...rs
    Espero que não demore muito, pois sei como é a sensação de ficar esperando para saber o que virá depois...
    Gostei de conhecer a série e espero que ela continue rendendo boas reflexões :)
    Beijinhos,
    Lica
    Amores e Livros

    ResponderExcluir
  11. Oi Bruna,

    Essa série tem dividido opiniões. Muitos dizem que ela é ruim, outros que é boa. Acho que pode ter sim alguns furos de roteiro e direção, mas gosto da premissa e com sua review fiquei bem curiosa - mesmo -. Vou maratoná-la no final de semana se der tudo certa.

    beijoss

    ResponderExcluir
  12. Oi, Bruna!

    Eu vi o anúncio dessa série muito tempo antes de lançá-la e fiquei super interessada. Amo o mundo distópico e quero muito ver por mim mesma e tirar conclusões de como os produtores brasileiros se saem nesse gênero pois até então eu só conheço as obras estrangeiras. Por enquanto, estou atrasada com The Originals, então assim que eu terminá-la, 3% será a próxima. Adorei saber as suas impressões, parabéns pela resenha!

    Sucesso com o blog sempre!
    Beijos, Belle.
    floraliteraria.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Olá,
    Não costumo acompanhar séries, ainda mais se não foram finalizadas.
    Tenho visto muitos blogs postando a respeito da série e fiquei bem intrigada com a premissa e achei muito interessante a discussão sobre meritocracia que traz.
    Tenho que dizer que estudei minha vida toda em escola pública, fiz parte de um cursinho comunitário e ingressei em uma universidade estadual e tenho um emprego público. Sei que depende da vivência da pessoa, mas também depende muito do esforço de cada um. Não tive vida por um ano quando estudava para prestar vestibular, mas atingi meus objetivos.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Cheguei a ver a sinopse dele no Netflix, mas acabei não me interessando muito pela história e nem fui em frente para ler. Foi bom o post para que eu entendesse melhor o enredo, mesmo assim, ainda é algo que não pretendo ver.
    Bjs

    ResponderExcluir
  15. Estou no terceiro episódio e estou amanda a série também. A trama é fascinante, mas não achei as atuações tããão boas assim, mas claro que dá para relevar com uma história como essa. Achei incrível a produção, cenários e tal, ficou muito bom mesmo. Estou ansiosa para continuar a assistir, mas kd o tempo? :(
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  16. Oi Bruna, tudo bem?
    Uau fiquei mega curiosa com essa série, eu já tinha visto algumas críticas mas só agora de fato que me interessei por ela. Legal ver que uma série brasileira está estreando na Netflix, e se trata de um assunto tão sério quanto a sociedade. Tentarei assistir em breve.

    beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  17. Não conheço a série mas já estou anotando a dica!

    @elapensatambem

    ResponderExcluir