segunda-feira, 9 de maio de 2016

"Matar não quer dizer a gente pegar o revólver de Buck Jones e fazer bum!"

Olá, pessoal! Tudo bem com vocês?

Na última semana eu reli um clássico da minha adolescência: Meu Pé de Laranja Lima, do escritor José Mauro de Vasconcelos. Fiz a releitura para apresentar um seminário na faculdade. Se eu não tivesse muitas coisas para fazer, facilmente concluiria a leitura em um único dia, pois... Que leitura gostosa!

Sinopse: Na obra juvenil mais conhecida de José Mauro, a pobreza, a solidão e o desajuste social vistos pelos olhos ingênuos de uma criança de seis anos. Nascido em uma família pobre e numerosa, Zezé é um menino especial, que envolve o leitor ao revelar seus sonhos e desejos, por meio de conversas com o seu pé de laranja lima, encontrando na fantasia a alegria de viver.

Então hoje eu estou aqui para comentar um trecho do livro, o meu favorito, diga-se de passagem. Nunca esqueci essa parte da história e desde quando a li pela primeira vez, nunca mais a esqueci. Portanto, como de costume, a partir do trecho, eu quero propôr um momento de reflexão. Conheça:

"Matar não quer dizer a gente pegar o revólver de Buck Jones e fazer bum! Não é isso. A gente mata no coração. Vai deixando de querer bem. E um dia a pessoa morreu."
Morte. Sabemos que o sentido literal é ruim e causa muita dor às pessoas queridas. Você, simplesmente morre. Mas quando o sentido caminha por outro lado, as coisas são diferentes. Quando alguém por quem você tem um apreço enorme ou muita consideração acaba te magoando, você murcha. E perdoa. Mais tarde, acontece novamente. Já foram duas vezes! Você perdoa. Acontece de novo. E de novo e de novo. A pessoa que te magoou vai morrendo... E esse processo é um processo absolutamente doloroso.

Você vê aquela pessoa que amava se afastando, se transformando em alguém que você não conhece. É isso que é matar no coração, conforme proferiu Zezé. E nunca a morte foi tão angustiante quanto nesse sentido. Você não pode fazer nada, aquele que está do outro lado dessa linha é que pode. E se ele não quiser? "Vai deixando de querer bem. E um dia a pessoa morreu".

Sem pesquisar expectativas de vida, você pode morrer a qualquer instante. Nós podemos morrer a qualquer instante. Nós somos um instante. Peça desculpas, deseje o bem, faça um carinho em alguém. Não temos tanto tempo, desfrute de cada momento. E aproveite a vida para arrancar aquilo que de mais lindos todos nós possuímos: o sorriso.

Por Thamiris Dondóssola, do blog Historiar.

9 comentários:

  1. Esse livro é um dos meus preferidos, amo amo e amo! Nunca me canso de ler!
    devaneiosdeinverno.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É a segunda vez que leio e posso dizer o mesmo. Sei que ainda vou ler outras vezes e nunca vou me cansar. ❤

      Excluir
  2. Oie...
    Acredita que não li esse livro na minha infância... Acho que sou a única rsrs...
    Quem sabe um dia ainda leio?

    http://coisasdediane.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Nunca somos os únicos, Diane.
      Espero que leia, super indico!
      Beijos

      Excluir
  3. Este livro é um clássico cheio de lições de vida!... Li uma vez apenas na escola e nunca esqueci. E sim, depois de tanto se afastar, a pessoa morre pra gente...
    beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bacana você ter lido na escola, eu conheci ele fora dela.
      Beijos

      Excluir
  4. Olá, já faz um tempinho que quero comprar um exemplar desse livro, nunca tive a oportunidade de ler, nem mesmo na escola. Sempre vejo muitos comentários sobre o clássico e fico cada vez mais curiosa.

    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Oi! Nunca li esse livro. Amei seu texto, achei linda a reflexão que você fez a partir desse quote. É triste quando amamos alguém e esse alguém nos magoa, chegando ao ponto de matar tal sentimento dentro de nós...Gostei bastante, beijos!

    ResponderExcluir
  6. Olá Thamires, tudo bem.
    Eu tive que pegar esse quote e compartilhar, é genial!
    Amo esse livro, a minha edição era da minha mãe de quando ela era criança, ou seja tem 50 anos, e eu me apego tanto a ela mesmo que esteja velhinha, pq o livro é perfeito!
    Sem contar que é baseado na vida do autor mesmo, isso da uma carga 10 x mais poderosa para as palavras que estão ali.
    Beijos!!!

    ResponderExcluir