domingo, 27 de abril de 2014

Azul da Cor do Mar

Impossível não encantar

 "Azul da Cor do Mar" possui uma leveza de espantar. O modo como Marina Carvalho desenvolveu o enredo permite uma leitura natural, imperceptível - o leitor vira páginas e mais páginas sem nem se dar conta de que o faz. Soma-se à isso uma trama envolvente, perigosamente divertida e descontraída.

 A história de Rafaela Vilas Boas começa com suas férias em Iriri - ES, ainda quando pequena. É lá, que a menininha de apenas 11 anos vai se sentir estranhamente atraída por um lindo par de olhos azuis. 

"Foi nesse momento que seus olhos se ergueram e pararam nos meus. Eram azuis. Lindos. (...) Quando dei por mim, estava obcecada pela figura do misterioso garoto da mochila xadrez."

 Depois desse dia, Rafaela nunca mais o esqueceu; e quando descobriu sua paixão pelas palavras, passou a escrever todos os dias sobre/para o garoto. O anos se passaram, e não houve uma vez em que ela deixasse de procurar seu passado em qualquer olhos azuis com os quais se deparava. A estudante de jornalismo, também tinha sérias dificuldades para se apaixonar; o garoto da mochila xadrez era muito mais que uma eterna paixão.

 Tudo estava em seus perfeitos eixos, principalmente quando a jornalista consegue o tão almejado estágio na Folha de Minas. O que ela não podia esperar era que seu companheiro de edição fosse insuportavelmente egoísta - e sedutor: Bernardo era dono de uma beleza escultural - e de lindos olhos azuis - e vestia a arrogância todos os dias. Desde o seu primeiro dia de estágio, Rafaela teria de aprender a conviver e lutar por seus direitos de aprendiz, dos quais Bernardo fazia de tudo para fugir e contrair. É nessas condições que vai nascer um tipo de antipatia entre os dois.

 "Senti o sangue ferver - na verdade, borbulhar - dentro das veias. Agora mais essa. Cria de Satanás era um elogio para Bernardo. Ele era o próprio Satã, camuflado com uma linda pele de cordeiro." 

 Porém, após passarem árduos meses um na presença do outro, conseguindo entrevistas exclusivas e furos e indo parar em hospitais com tornozelos torcidos e desmaios - graças ao desastres cometidos por Rafa -, a jornalista vai descobrir que não é ódio que sente pelo impertinente Bernardo. A Cria de Satanás, por sua vez, vai começar a ter atitudes estranhamente sentimentais para com ela. 

 "Revirei os olhos. Bernardo era um sujeito estranho. -E eles são uma graça. Os seus pés. Por essa eu não esperava. Receber um elogio do mestre da insensibilidade. Bom, não eu, mas meus pés. Ninguém jamais havia dito que eles eram bonitos."

 "Azul da Cor do Mar" me encantou por completo, principalmente porque foi nele, que pela primeira vez, encontrei uma protagonista não-sonsa - e de personalidade extremamente compatível com a minha. É muito fácil se apaixonar por uma história como essa. Para quem gosta de rir e aprecia uma leitura descontraída, este é o livro perfeito a ler - e não devo esquecer de mencionar o fato de que é possível lê-lo em apenas um dia.

Informações adicionais: 
Título: Azul da Cor do Mar
Autor: Marina Carvalho
Editora: Novas Páginas
Páginas: 334
Nota da Leitora: 5 estrelas/ favorito

2 comentários:

  1. Amei a resenha, já tinha visto várias opiniões sobre esse livro, mas nunca parei pra ler. Agora ele está na minha lista :)

    www.garotasliterais.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale a pena ler, sim! Quem gosta de romances, principalmente, porque é uma historia diferente.
      Beijos

      Excluir