quinta-feira, 25 de maio de 2017

[Divulgação] Antologia - Luva Editora

Olá galera,

Como vocês estão? Esses dias andei ausente por aqui, tinha prometido que voltaria, mas não deu. Agora acho que as coisas se acalmaram e tudo voltará ao normal com postagens diárias – SIM! – também tenho que contar para vocês: O UOH ganhou dois colaboradores – yaaaaaaaaaaaay – em breve eles trarão suas postagens e vocês poderão conhece-los, mas já tem info deles na aba “Sobre Nós”, então, vai lá conferir.

Já me alonguei muito na abertura desse post, não é? Estou aqui hoje para – além das notícias acima – apresentar para vocês a Antologia que será publicada pela Luva Editora de forma 100% gratuita!


Por superstição ou coincidência do destino — julgar cabe a vocês — nesta sexta-feira 13, dia do azar, dos amaldiçoados e dos fãs do terror, eis que ganha vida III – A Hora Morta, a primeira antologia da Luva Editora, em parceria com o organizador Fernando Bins (autor do livro Os Olhos do Condenado). As surpresas não param por aqui: os astros César Bravo (Ultra Carnem) e Rô Mierling (Diário de uma Escrava) também irão compor a equipe, respectivamente, como escritor convidado e prefaciador.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

[Sorteio] Aniversário Tudo que Motiva e Coisas da Juu

Olá galera, tudo bem?

Hoje é dia de comemoraaaar, o Tudo que Motiva e o Coisas da Juu comemoram 3 anos de existência e é óbvio que queremos comemorar com os nossos leitores queridos. Serão váários livros para 5 sortudos diferentes. Tem ebook, marcadores, capa de livro e LIVROS dos mais diversos tipos e gênero literário. Tem até livro em inglês \o/ 



[Resenha] A Cor Púrpura, Alice Walker

Título: A Cor Púrpura
Autora: Alice Walker
Editora: José Olympio
Páginas: 336
Onde comprar: Amazon 
"O que Deus fez por mim? perguntei. Ele me deu um pai linchado, uma mãe louca, um cachorro ordinário como padrasto e uma irmã queu na certa nunca mais vou ver. De todo jeito, eu falei, o Deus pra quem eu rezo e pra quem eu escrevo é homem. E age igualzinho aos outro homem queu conheço. Trapaceiro, isquecido e ordinário.
Ela falou, Dona Celie, é melhor você falar baixo. Deus pode escutar você.
Deixa ele escutar, eu falei. Se ele alguma vez escutasse uma pobre mulher negra o mundo seria um lugar bem diferente, eu posso garantir." [sic]

Celie é mulher e negra. Ela, como muitas outras de sua época, sofreu duplo preconceito, dupla agressão, duplo sofrimento – todos "duplos" que ainda permanecem arraigados na sociedade de hoje, infelizmente.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

[Lançamentos] Petit Editora

Olá galera,

Primeiro, queria dizer que esse hiato sem postagens terminou e estou de volta com força total. Segundo, queria compartilhar com vocês que renovamos com a Petit Editora e a Butterfly e, sim, estou muito feliz! Então, vamos lá conferir os lançamentos da Petit? Tem tanto título legal que não sabia o que pedir hahah!


Título: Quando é inverno em nosso coração
Autor: Américo Simões
Onde comprar: Amazon | Saraiva
Sinopse: Clara e Amanda são irmãs que cresceram num lar europeu, do final do século 19, quando os casamentos ainda eram arranjados pelos pais. Clara é apaixonada por Raymond, o jardineiro da família. Por ser a filha mais velha, se vê obrigada a se casar com o rico Raphael. Porém, às vésperas de suas bodas é acometida por uma doença desconhecida que a deixa à beira da morte. Para não interromper o acordo entre as famílias, Amanda se casa no lugar da irmã. Mas a troca das noivas não é bem recebida por Raphael, já que havia se apaixonado por Clara. O rapaz não supera a decisão, alheia à sua vontade, e passa a desconfiar de que a doença repentina da jovem é puro fingimento para evitar o matrimônio. Essa paixão não correspondida e um segredo inviolável marcarão para sempre a vida da jovem Clara e de todos que a rodeiam.

domingo, 21 de maio de 2017

[Resenha] O Ninho Envenenado, R. Silva - As Crônicas do Amanhecer #1

Título: O Ninho Envenenado
Autor: R. Silva
Série: As Crônicas do Amanhecer #1
Editora: Amazon
Páginas: 212
Onde comprar: Amazon

O Ninho Envenenado, primeiro livro da série As Crônicas do Amanhecer, foi o primeiro livro que indiquei na coluna “Aposta da Bru”. Fiz a postagem no começo do mês de abril e já garanti meu exemplar. Infelizmente a oportunidade de leitura surgiu apenas esse mês e devorei o livro em poucos dias.

Nessa obra somos apresentados a uma fantasia medieval que focará na família Scliros. Jonas é Imperador e reina em seu castelo chamado Punho. Ele está a caminho da Terra do Amanhã, junto de seu filho mais novo, João, e um exército, para firmar um acordo de paz com seu irmão, Lorde Lucas. O que ninguém poderia esperar era que Jonas seria traído e que a vida de seus filhos – João, que foi com ele, e Fernando, filho mais velho que ficou no castelo – estaria em jogo.

terça-feira, 16 de maio de 2017

[Filme] Nerve

Título: Nerve
Lançamento: 25 de agosto de 2016
Duração: 1h37min
Direção: Ariel Schulman e Henry Joost
Gênero: Suspense
Sinopse: A tímida Vee DeMarco (Emma Roberts) é uma garota comum, prestes a sair do ensino médio e sonhando em ir para a faculdade. Após uma discussão com sua até então amiga Sydney (Emily Meade), ela resolve provar que tem atitude e decide se inscrever no Nerve, um jogo online onde as pessoas precisam executar tarefas ordenadas pelos próprios participantes. O Nerve é dividido entre observadores e jogadores, sendo que os primeiros decidem as tarefas a serem realizadas e os demais as executam (ou não). Logo em seu primeiro desafio Vee conhece Ian (Dave Franco), um jogador de passado obscuro. Juntos, eles logo caem nas graças dos observadores, que passam a enviar cada vez mais tarefas para o casal em potencial.

Nerve era um filme que eu não tinha a mínima vontade de assistir, mas aí a Gabbe me falou: Assiste, você vai gostar. Quando estava sem nada para fazer, conectei o Netflix e comecei a assistir e, bem, não foi o que imaginei, não foi ruim, tampouco ótimo, foi um filme bastante mediano, na realidade.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

A explicação está na pós-modernidade?

Eu tenho lá os meus bons momentos, é claro. Não sou um ser humano inteiramente sombrio. Geralmente tais momentos decorrem do lambeijo dos meus cachorros, do cheirinho da comida da minha mãe, de algumas palavras doces e do carinho singelo do meu amor. Eu os valorizo de uma forma inexplicável, prego-os em minha memória e, geralmente, quando me vejo assim, desesperada, deslocada, desanimada e muitos outros “des” possíveis, os recupero na mente, para não perder a fé na vida, para, completamente, não perder para a vida.