quinta-feira, 8 de junho de 2017

[Resenha] Garota em Pedaços, Kathleen Glasgow

Título: Garota em Pedaços
Autora: Kathleen Glasgow
Editora: Outro Planeta (cortesia)
Páginas: 384
Onde comprar: Amazon | Saraiva

Quem me conhece sabe que sempre espero alguns dias para escrever minhas resenhas para que eu possa entender o que estou sentindo e consiga colocar tudo no papel de uma forma que faça o leitor entender a história e o que senti. Mas não posso aguardar para escrever a resenha de Garota em Pedaços porque preciso pôr para fora. 
“(..) Então, você não sabe como é todos os dias, toda merda de dia, estar tão solitária que parece que esse buraco negro interior vai engolir você. (...)”

Garota em Pedaços, primeiro livro da autora Kathleen Glasgow, nos apresenta à história de Charlotte – ou Charlie Davis, uma garota de 17 anos que sofreu bullying na escola, perdeu o pai, a melhor amiga e precisa lidar com o Transtorno do Controle do Impulso, que a faz se automutilar. 
“Existe estar sozinha e existe estar sozinha. Não é a mesma coisa, definitivamente.”

Ela está em uma clínica de reabilitação e melhora pouco a pouco. Como nada em sua vida foi fácil, ela recebe a notícia que precisará ir para casa ficar com sua mãe, pois o plano de saúde não cobrirá mais o tratamento. O relacionamento de Charlie com a mãe nunca foi bom e ela sabe que não será possível ficar com ela, como ela poderia fazer?

Por pior que sua mãe seja, quando se encontram fora da clínica, ela dá a notícia de que a Charlie não pode viver com ela ou regredirá no tratamento e que ela irá se mudar para Tucson, no Arizona, e viverá com seu amigo – e amor secreto – Mikey.

Charlie precisa resistir a alguns dias sozinha, pois Mikey está trabalhando em outra cidade. Ela fica esses dias na casa de Mikey que é nos fundos da casa da Sra. Ariel, uma senhorinha que oscila bastante de humor e, ao ver as mutilações em Charlie, diz que ela precisa procurar um emprego, pois não poderá viver por muito tempo ali. É por conta dessa recomendação – ou ordem? – que Charlie começa a trabalhar no Gritt como lavadora de pratos e conhece Riley West, um rapaz tão quebrado quanto ela. Poderia ela recuperar-se?

Antes de eu começar a falar desse livro, preciso dizer que esse livro não é para todas as pessoas, pois ele é cheio de gatilhos. Eu, que nunca pensei nisso, que não sofro de depressão, comecei a sentir uma dor no peito e precisei pausar a leitura diversas vezes, porque era doloroso demais ler.

Charlie é uma menina que sofreu demais ao longo da vida. Ela sofreu tanto que os cortes – por mais dolorosos que sejam – doem menos que a dor que existe dentro dela. Além disso, ela está sozinha. Não tem ninguém. Senti que a autora soube explorar esse ponto da trama muito bem e, em momento algum, achei a Charlie fraca por se cortar, ao contrário, a autora a criou com uma força, com uma determinação que, meu Deus, foi pura perfeição. 
“Eu me corto porque não consigo lidar com as coisas. É simples assim. O mundo se torna um oceano, o oceano cai em cima de mim, o som da água é ensurdecedor, a água afoga meu coração, meu pânico fica o tamanho do mundo. Preciso de libertação, preciso me machucar mais do que o mundo pode me machucar. Só assim posso me reconfortar.”

Riley foi um personagem que, assim que apareceu, acendeu um alerta em minha mente: PERIGO! E, como era de esperar, o relacionamento dos dois começa de forma errada e toma caminhos mais errados ainda, isso porque, algumas vezes, duas pessoas quebradas, juntas, conseguem se curar, mas, às vezes, só se quebram ainda mais
“Durante anos, ninguém me quis. Durante anos, fui empurrada de um lado para o outro, ouvi gritos e deboches, e agora, agora eu tenho duas pessoas lindas que me escolheram. Escolheram a mim.
Eu deixei que elas me puxassem.”

Mikey foi um personagem que amei quando apareceu odiei por algumas atitudes dele, mas o amei de novo por compreendê-lo melhor e acho que era isso que a autora queria passar com ele. Também existem outros personagens que são de suma importância para a história, mas que, se eu revelar, será um baita de um spoiler.

Uma boa definição para essa leitura é: andar numa montanha-russa. O livro é cheio de altos e baixos, como nossa vida e isso o torna extremamente. Mas nem tudo são flores, o livro é lento, demora para começar a envolver o leitor e o final pode parecer um pouco corrido demais. Mas isso, ao contrário do que se possa imaginar, não faz a leitura ser menos proveitosa.

Garota em Pedaços é um livro que vai te marcar, te fazer pensar sobre o que as pessoas fazem e perceber que depressão, ansiedade e automutilação não são coisas simples e frescuras. Se você tiver a oportunidade, por favor, faça essa leitura.

Classificação:

17 comentários:

  1. Oi Bru, até uma citação igual nos marcamos! =)
    Então, eu considero importante para todos os leitores, porque muitos passam por isso calados e não têm com quem compartilhar. Assumir que se mutila é algo muito complicado, mesmo frente a algum profissional ou melhor amigo. Foi uma leitura tensa, porém proveitosa.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Olá Bru!
    Esse livro com certeza é forte e merece ser lido, por tratar de um tema tão importante.
    Está na minha lista de leitura desse ano.
    Parabéns pela resenha, eu adorei!
    Beijos!

    Books & Impressions

    ResponderExcluir
  3. Ola
    Também ja fiz essa leitura e gostei muito do estilo apresentador. De fato, o livro é mesmo cheio de altos e baixos, emoção é o que não falta nesse cenário. E é por isso que nos faz pensar tanto, acho que isso torna tudo bem mais intencional né! É um tanto doloroso mesmo, mas a leitura vale a pena!
    Beijos, F

    ResponderExcluir
  4. Oie Bru,
    Menina, quando você me falou do livro e foi contando a história da Charlie eu fiquei em pedaços. E, os pontos que tu colocou na tua resenha miga foram exatamente como se eu estivesse tu me contando todo o enredo. Cara, antes eu já tava louca, agora então! Eu preciso urgente do e-book, do livro. Seja lá o que for. Porque a Charlie realmente passa por muita coisa. Velho, eu não imagino outro final para ela se não o suicídio. Não sei ainda porque a senhorita não me contou. Mas a bola de neve construída pela autora só traduz esse final para ela, juro!

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bom?

    Conhecia o livro por fotos mas sabia pouco sobre a história e com sua resenha achei a premissa bem interessante, uma pena o final ter sido um pouco corrido, mas ainda quero dar uma chance para ele.

    Beijos:*

    ResponderExcluir
  6. Oi Bru,
    deu para sentir a intensidade daqui, sério mesmo. Sua narrativa foi direta e clara e me deixou receosa ao mesmo tempo que curiosa, adoraria fazer a leitura desse livro que aborda temas tão relevantes e reais, mas creio que não estou em um momento propício para esse tipo de leitura, de qualquer foma vou garantir meu exemplar, porque é sempre bom ter a mão e se a oportunidade surgir pode ter certeza que lerei.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Olá Bruna,
    Já tinha visto falar desse livro, mas não sei se é uma leitura que no final irei acha satisfatória, por esses altos e baixos. Realmente pela sua resenha, me parece um livro que ao final nos faz pensar e até mesmo nos autoavaliarmos de como lidamos com essas situações, que para quem não tem as vezes consideram uma coisa banal ou forma de chama atenção.
    Achei a sacada do romance entre suas pessoas quebradas e que não funciona, genial, pois é incontatáveis o números de livros onde o casal se cura. é sempre bom vermos que nem tudo é tão perfeito assim.

    Bjs,
    Garotas de Papel

    ResponderExcluir
  9. Oi..
    Eu acho o tema interessante e ao mesmo tempo pesado demais.
    Eu não leria o livro nesse Desse momento pois vc disse que está cheio de gatilhos e eu preciso manter a estabilidade emocional.
    Achei interessante a personagem ser forte e determinada e gostei do fato de estudar mostrar um relacionanento real: duas pessoas quebradas podem se quebrar mais ainda.
    É uma leitura que eu gostaria de fazer, mas nao nesse momento.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Folheei esse livro na livraria esse fim de semana, só não o trouxe porque a livraria estava tão lotada que desisti de enfrentar a fila do caixa [rs]. Mas futuramente o quero ler. A trama dele me atraiu bastante, assim como sua capa. Adorei sua resenha, bexitus!

    ResponderExcluir
  11. Oii Bruna, tudo bem? Adorei conferir tua opinião sobre esse livro! Desde o lançamento fiquei maluca para ler, pois tem tudo para ser uma leitura bem marcante para mim também, porém ainda não tive a oportunidade de adquiri-lo. Quero fazer isso em breve e espero gostar muito também <3

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  12. Oi, Bruna! Não conhecia o livro, mas vou agora mesmo adicioná-lo a minha lista de desejados, eu simplesmente preciso ler esse livro! Confesso que fiquei com certo medo quando você disse que ele não é pra qualquer um, que causa muita dor. Enfim, acredito que eu vá gostar, afinal gostei da sinopse e da sua resenha. Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    Achei bem legal você salientar que esse livro não é para todos. Não tenho gatilhos, então para mim seria uma leitura ok, mas sabemos que isso não é o que ocorre normalmente. Eu estou curiosa com essa obra desde que fiquei sabendo do seu lançamento, e vendo a sua resenha agora posso ver que realmente essa obra é uma montanha-russa. Mal posso esperar para ler, tenho certeza que vai ser uma leitura que vai me devastar.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  14. Olá Bruna,
    Os livros sobre o bullying e esses assuntos estão realmente em alta ultimamente né?
    No início de sua resenha, me empolguei e comecei a desejar o livro, entretanto, conforme ela seguia pude perceber que ele de fato não é pra mim... O fato de ele ser bem forte é um dos motivos e o outro é a demora em se iniciar enredo. Tenho a tendência de ficar muito entediada com livros que não engatam no inicio, sabe?

    beijos
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  15. Oii!
    Que livro incrível! Eu ainda não tinha achado nenhuma histórias que tratava do tema da automutilação. Conheci uma pessoa que passava por isso e sei o quanto é complicado. Depressão não é brincadeira mesmo, é algo que deve ser levado muito a sério. Com certeza vou querer esse livro, sua resenha despertou muito a minha atenção. Fiquei curiosa para saber se Charlie e Riley conseguiram se ajudar. Na verdade eu torço para que sim.
    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Olá,
    Quando eu vi esse livro em lancamentos, eu achei interessante a capa dela, o titulo do livro mas nunca cheguei a pensa que seria algo tão pesado assim, tem varios livros que contém tabus porque quando você começa a ler, parece que você sente o que o personagem esta passando e sentindo, quando começei a ler sua resenha fiquei de boca aberta, espantada pelo tema que e abordado na historia..
    Fiquei tão curiosa para ler ele, para conhece um pouco do sofrimento dessa personagem!

    ResponderExcluir
  17. Olá!
    Acredito que eu nem preciso dizer que essa capa é linda, haha. Eu já ouvi tanta gente comentar sobre essa obra mas eu realmente nunca parei para ler de verdade sobre a história dela. A premissa é bem interessante e fiquei super curiosa sobre esse tal de Riley. Enfim, esses livro montanha russa sempre me destroem. Então, obrigada pela resenha, está MARAVILHOSA ♥
    Um beijo

    ResponderExcluir