quinta-feira, 13 de abril de 2017

[Resenha] Central de Histórias, Claudinei Sevegnani

Título: Central de Histórias
Autor: Claudinei Sevegnani
Editora: Chiado
Páginas: 168
Onde comprar: Loja da Editora 
"Num mundo de mentirosos, agora todos eram contadores de verdades inimagináveis, já que tudo se tornava realidade."

A tecnologia pareceu chegar ao seu auge de inteligência quando as "Centrais de Histórias" foram criadas. Ninguém chegou a descobrir como realmente elas funcionavam, mas essas máquinas eram capazes de mudar vidas e destinos. Bastava preencher um formulário com informações específicas e escrever, em 74 carácteres, o pedido. Em alguns dias, as pessoas tinham seus desejos realizados. No entanto, esses pedidos, na maioria dos casos, não afetavam apenas um indivíduo. Os outros afetados poderiam querer reverter a situação e, assim, tudo foi virando uma bola de neve. A energia gasta por esses computadores também era enorme, causando alterações no espaço-tempo.

Para tentar barrar esse buraco negro que o mundo estava se tornando, o Governo decidiu extinguir todas as máquinas. Ou, quase todas.

Sobrou apenas uma. A Central de Histórias de Klauss e Lila. Ambos eram cautelosos e só realizavam pedidos de pessoas de extrema confiança, escolhidas por um homem que havia sido o primeiro cliente deles. Tudo parecia bem até começar a desmoronar. Algumas pessoas pretendiam destruir o computador e não parariam antes que conseguissem. Uma dessas pessoas é o narrador.

A imaginação de Claudinei Sevegnani voou longe. Embora a premissa seja original e extremamente criativa, um detalhe não deixou de me incomodar: a é narrativa um tanto quebrada pelo excesso de digressões e toma rumos diferentes nas duas metades do livro. Na primeira delas, o narrador conta a história como se fosse onisciente. Já na segunda, o foco é nele próprio.

Também senti falta de algumas descrições gerais como tempo, espaço, cenário, gestos dos personagens e etc. Esses apagamentos me lembraram muito textos teatrais, e por isso não foram um grande problema.

Apesar disso, devo meus parabéns ao autor pela criatividade. Nunca havia lido assim, tão diferente! A ideia merecia um desenvolvimento maior, confesso, mas consigo reconhecer onde há potencial. Espero que os próximos livros sejam tão criativos quanto e melhor trabalhados no enredo. 

Classificação:

12 comentários:

  1. Oi, Gabrielle! Esse livro já me conquistou pela criatividade do autor ao elaborar a trama. A capa do livro também achei bem interessante e, antes que eu me esqueça, sua análise ficou excelente. Acredito que irei gostar muito da leitura, caso o leia. Abraço!!

    ResponderExcluir
  2. Oiii
    O livro parece ser uma divertida distopia. Amei a capa, a premissa e a sua análise.
    Já está na lista de próxima leituras.
    bjOOO

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Gostei da premissa do livro e embora sua ressalva seja na falta de maiores explicações é que talvez não fossem relevantes pra mensagem final, se bem que vc diz que nem foi um problema, rs
    Gostaria muito de ler!

    ResponderExcluir
  4. Olá! Premissa legal, gosto de histórias que mexem com o tema espaço-tempo. Mesmo com suas considerações, fiquei interessada em ler a obra, deve ter ação né? Já que apenas uma máquina funciona as escondidas, então coisas irão acontecer, beijos!

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem?
    Concordo com vocês, a imaginação de Claudinei Sevegnani voou bem, mas bem longe mesmo! Acho que esse é um dos enredos mais originais que já vi, uma pena que tenha esses pequenos defeitos, como a narrativa quebrada e a falta de descrições. Mas mesmo assim, acho que gostaria de ler só pra ver como essa história vai terminar.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  6. Oi Gab, tudo bem?

    Não tinha conhecimento de um enredo tão elaborado como este, então acho que a história tinha tudo para ser um grande sucesso e conseguir conquistar os corações dos leitores. É uma pena que a obra não foi bem desenvolvida e deixou a desejar em alguns aspectos, mesmo assim leria a obra, pois me parece bem legal e inovador. Adorei a resenha!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Puxa, é uma pena que seja um livro tão curtinho... se tivesse sido desenvolvido de uma maneira melhor com certeza eu me interessaria, porque a proposta dele é bem interessante. Imagino o caos que foi gerado por desejo em cima de desejo... Rs... Muito louco inventarem e disponibilizarem algo como essas máquinas.

    ResponderExcluir
  8. Olá
    Nossa que enredo diferente em, tinha tudo para ser bom, mas agora fiquei receosa quanto ao ponto negativo que você citou.
    Vou passar a dica desta vez.
    Beijuh

    ResponderExcluir
  9. Olá!

    Não conhecia esse livro, mas achei muito interessante a premissa, diferente e original. Apesar desse detalhe negativo que você citou, arriscaria sim a leitura. Obrigada pela dica!

    ResponderExcluir
  10. Apesar desses pequenos momentos de fuga do autor e pouca descrição, a criatividade na qual a premissa está envolvida merece uma conferida. Gostei muito dessa criação de uma máquina de histórias. A mudança de foco é comum e nem chega a chatear se bem feita. Só lendo pra eu formar opinião melhor. Dica anotada!

    ResponderExcluir
  11. Oi Gabi, tudo bem?
    Infelizmente não me senti cativada para conhecer a leitura... confesso que a parte do livro ser curtinho foi uma delas... o enredo é até interessante, pois esse lance de construir uma máquina de contar história é bem legal, mas sei lá eu acho que me sentiria um pouco confusa. Xero!

    ResponderExcluir
  12. Oi, Gabi!
    Gostei muito dessa coisa de "Central de Histórias", o autor foi bem criativo em relação a isso. E isso me chamou bastante atenção. No entanto, os pontos negativos que você levantou me deixaram em dúvida se tratando da leitura.

    ResponderExcluir