segunda-feira, 3 de abril de 2017

[Aposta da Bru] O Ninho Envenenado, R. Silva

Olá pessoal,

Hoje estou aqui para começar uma nova coluna que se chamará Aposta da Bru. Nessa coluna, vou trazer dicas de livros que acredito que valem à pena serem lidos e trarei a resenha deles no futuro – talvez breve.


Para a primeira indicação escolhi o livro O Ninho Envenenado, primeiro livro da série As Crônicas do Amanhecer, escrito por R. Silva – é, pessoal, o autor (ou será autora?) é misterioso.

Sinopse: Após séculos de paz, uma traição traz caos ao Império. A divisão da dinastia dos Scliros inicia uma guerra por poder, vingança e riqueza, da qual nem todos sairão vivos.

Como a sinopse é bastante curtinha, decidi trazer para vocês uma parte do primeiro capítulo. Já fiz a leitura e minhas expectativas com relação a essa leitura estão nas alturas!

Capítulo 1

Dom Eduardo

O dia amanheceu mais frio que o comum. Não há uma nuvem sequer no céu. O sol brilha forte, mas seu calor não é suficiente para aplacar o ar gelado da manhã. O clima nas planícies da Terra do Amanhã é frio nesta época do ano, então todos vieram preparados, com roupas de lã e mantos. O comboio do Imperador Jonas Scliros marcha em uníssono, como um verdadeiro exército, embora apenas a sua minoria seja composta de soldados. Quase ninguém fala. Poucos cochicham entre si, em conversas rápidas e pontuais. Todos estão mais preocupados em se aquecer do que conversar.
Além de frias, estas são terras inimigas e hostis, onde os súditos do Imperador se sentem apreensivos. Dom Eduardo não é uma exceção. O cavaleiro cavalga em silêncio, enrolado em seu manto roxo escuro. Cada centímetro quadrado da Terra do Amanhã lhe traz lembranças que ele havia enterrado em algum lugar sombrio de sua memória. Por debaixo do manto, ele usa sua armadura completa, como se estivesse marchando novamente para a guerra. Já beirando os cinquenta anos e com décadas de experiência nos campos de batalha, Dom Eduardo sabe que um encontro para selar a paz pode muito bem se transformar em um massacre. Basta uma palavra dita na hora errada, uma indelicadeza, ou um gesto descabido, para que tudo dê errado.
- Estamos chegando, Dom Eduardo? – Príncipe João pergunta, quebrando o silêncio. A sua fala é acompanhada pela fumaça branca que sai de sua boca. – Estou cansado de cavalgar. Já faz duas semanas...
- Estamos quase lá. – Dom Eduardo responde. – Em algumas horas, já veremos a Cidade da Planície e o Ninho.
O pequeno Príncipe aperta os lábios, como ele sempre faz quando está insatisfeito. É a primeira vez que ele viaja para fora da Cidade do Punho, onde fica a sede do Império. Dom Eduardo passou os últimos onze anos de sua vida acompanhando todos os passos de João, ensinando-lhe tudo o que sabe sobre como usar uma espada. Após anos lutando pelo exército Imperial do Punho, o privilégio de treinar um dos herdeiros do Imperador foi concedido a Dom Eduardo como seu merecido descanso. Os anos de luta deixaram sua marca no cavaleiro; não apenas em sua mente – com as memórias que ele gostaria de esquecer – mas também em seu corpo.
O rosto de Dom Eduardo, bem delineado por seu queixo quadrado, sua barba rala, seus olhos sóbrios e seu nariz longo e torto, é marcado por duas grandes cicatrizes. Uma delas atravessa seu rosto diagonalmente, começando em sua testa e terminando na maçã de seu rosto. A outra atravessa seu rosto horizontalmente, logo abaixo de seus olhos.
- Posso pelo menos desmontar e continuar a pé? – Príncipe João insiste. – Minhas pernas estão dormentes.
- Aguente só mais um pouco. Nós estamos quase chegando.
Nos primeiros dias, o Príncipe parecia estar gostando da viagem. Os bosques em torno da Cidade do Punho são bastante agradáveis, e João os havia visitado apenas algumas vezes, para caçar junto com o seu pai e seu irmão mais velho. O seu humor mudou a partir do terceiro dia, no entanto, quando o comboio começou a travessia das Planícies do Desespero, onde o sol é forte e a sombra, escassa. Apesar do nome, as planícies não têm nada de desesperador; ganharam este nome em razão das inúmeras guerras que nela ocorreram no passado, quando o Império ainda era dividido em diversos reinos.
- Não sei por que nós tivemos que vir até aqui. – diz o Príncipe. – Nós ganhamos a guerra. Eles é que deveriam ir até nós.
- A única condição que seu tio impôs para se render foi que nós o poupássemos da humilhação de ter que ir até o Punho para apresentar a sua rendição. Além disso, o Ninho está sob o cerco do exército de seu pai há anos. Estaremos seguros lá. No final das contas, foi um bom negócio.
- Isso é estupidez. – João retruca. – Meu tio é um traidor, um usurpador. Meu pai deveria decapitá-lo, e não o perdoar.
- Bom, se um dia você for Imperador, poderá fazer as coisas do seu jeito. Até lá, você tem que confiar que o seu pai está fazendo a coisa certa.
- E se ele não estiver?
- Não é nosso papel julgar se o Imperador está correto ou não em suas decisões.
- Que seja...
Príncipe João nunca foi particularmente obediente ou conformista. Apesar de ser disciplinado na maior parte do tempo, ele não hesita em descumprir uma ordem quando acha que há uma alternativa melhor. Talvez essa seja uma boa característica para um Imperador, mas é improvável que o pequeno Príncipe chegue ao trono. Seu irmão mais velho está à sua frente na linha de sucessão.
Continua ...

O livro está à venda apenas na Amazon num preço bastante acessível, então, acho que vale bastante à pena comprar.

Me contem se já conheciam o livro, o que acharam dele e se fariam a leitura.

Beijos,

12 comentários:

  1. Oi! Gostei da sua nova coluna, você é bastante criativa. Não conhecia esse livro e, ao ver a capa lembrei-me de Adão e Eva. A lendária história bíblica. A serpente mostrando suas presas é bem impactante. Parece que a obra deve ser proveitosa de se ler, acho que você acertou em sua aposta Bruna. Abraços!

    www.marcasliterarias.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oiê!
    Olha, sinceramente, a capa, sinopse e esse pequeno trecho não me animaram muito com a leitura desse livro e como não gosto muito de embarcar em séries assim ao acaso, prefiro esperar resenhas para saber mais a respeito, porque minha lista de leitura já está gigantesca.
    Gostei dessa nova coluna, quem sabe na próxima eu compartilhe de sua expectativa. =)

    ResponderExcluir
  3. Oi, Bru!
    Que medinho dessa capa viu? Não vou mentir... Mas lendo esse capítulo fiquei bastante interessada.
    Adorei a nova coluna!
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do #Sorteio1KSeguidores

    ResponderExcluir
  4. Bruna! Amei a coluna! É muito legal a gente ver que outros blogueiros também estão lendo livro sem ser de parcerias, apostando no escuro!
    Essa capa, já achei fascinante!! Amo serpentes! E realmente a sinopse é curta pra caramba! Mas o primeiro capítulo também me deixou bem intrigada! Espero a resenha!! ;)

    ResponderExcluir
  5. Adorei sua ideia. Eu também adoro dar dicas de livros legais e sempre que posso, divido isso com os amigos <3 Esse não me interessou muito, infelizmente. Mas espero pela sua próxima indicação.

    ResponderExcluir
  6. Olá! Vou dar uma pesquisada por aí, ver também o preço rs
    Pelo Silva o autor(a) e nacional?
    Gostei da sinopse, vou aguardar a resenha.
    Parabens pela coluna, gostei!

    ResponderExcluir
  7. Amo fantasia e aventura!
    Depois de ficar bem triste com o fim da série de livros Os sete reinos (quero o Han e seus feitiços pra sempre), acho que vou ler sua aposta Bru, será uma boa alternativa após minha perda literária e enquanto Os Ventos do Inverno não é lançado.
    Abs e muito, muito obrigada pela dica!
    Amei a coluna e vou acompanhar ^^

    ResponderExcluir
  8. Oi Bru, adorei a coluna, porque é sempre bom conhecermos novos livros e ainda mais indicados por pessoas, que confiamos. Infelizmente este livro não me atraiu em primeiro momento, achei a capa bem feia haha, mas eu curti o primeiro capítulo, só não sei se leria neste momento, mas eu deixei a dica anotada vai que. Xero!!!

    ResponderExcluir
  9. Oi Bruna, tudo bem?

    Adorei coluna, pois é uma ótima oportunidade para nós, leitores, acompanharmos novos livros e novas histórias. É sempre bom se deparar com o novo!
    A capa do livro não me agradou, me lembrou um pouco as histórias infantis de monstros, faltou o algo a mais. Quanto ao trecho do capítulo que você apresentou, este é muito bom e por ele, leria a obra. Vou esperar mais posts desta coluna!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Olá!

    Não conhecia a trama, mas me interessei por ele. Quem sabe em algum momento eu o leia...

    ResponderExcluir
  11. Oi.
    Bem bacana esse post seu. Desse jeito é muito bom para conhecer novas obras. Infelizmente, essa obra em questão não me despertou o interesse. Parece ser até legal e tudo o mais, mas dessa vez vou passar a dica.

    ResponderExcluir
  12. Acredite ou não, não faria a leitura principalmente por causa da capa... colocar um cobra ou uma lagartixa na capa de um livro é praticamente implorar para que eu não leia, então embora tenha curtido a premissa por enquanto passo a dica... se um dia a capa mudar tem uma boa chance de eu mudar de ideia.

    ResponderExcluir