terça-feira, 7 de junho de 2016

[Filme] Confiar

Título: Confiar
Lançamento: 23 de setembro de 2011
Duração: 1h46min
Direção: David Schwimmer
Onde comprar: Submarino
Sinopse: Will (Clive Owen) e Lynn (Catherine Keener) têm três filhos. Enquanto um está prestes a entrar para a faculdade, a filha do meio, Annie (Liana Liberato), começa a apresentar os sintomas comuns das adolescentes que querem se parecer mais velhas e ser aceitas entre seus pares. Publicitário bem sucedido e super envolvido com a profissão, Will procura ter uma relação de confiança com os filhos, mas Annie inicia um relacionamento no computador com um jovem de 16 anos e dá continuidade através do telefone. Sem que seus pais soubessem, ela aceita o convite dele para um encontro, mas a surpresa que ela tem no primeiro momento é só o começo de um pesadelo que marcará para sempre a sua vida e a de sua família.

Acabei de assistir ao filme e me encontro sem palavras sobre o que dizer dele. Esse filme mexeu comigo de uma forma que não acontecia há muito tempo.

Drama. É um filme desse gênero, se você não gosta, não perca seu tempo assistindo. Igualmente não indico esse filme para você que é cheio de preconceito em relação ao que acontece com adolescentes.

Vamos começar falando do filme. A história nos apresenta a vida de Annie (Liana Liberato), uma adolescente que tinha tudo o que queria, mas estava passando por aquela fase que precisava mostrar para os outros que é melhor. É por conta dessa fase que nossa protagonista entra numa sala de bate-papo e acaba conhecendo Charlie, um garoto extremamente simpático que a entende.

Eles tornam-se amigos e, em determinado momento, já estão conversando por telefone e acabam fazendo isso, praticamente, o tempo inteiro. Após um tempo que se conhecem, Charlie confessa que é mais velho do que havia dito, mas isso não faz Annie se afastar, muito pelo contrário.

Quando estão conversando há bastante tempo e sentem que já se conhecem, decidem marcar um encontro. Local: Shopping. É uma grande surpresa para Annie quando a pessoa que se aproxima dela, se apresentando como Charlie, é um homem velho, com mais de 30 anos. Com a lábia que todos os estupradores têm, ele consegue convencê-la de que a idade não é um problema, afinal, eles são almas gêmeas e as pessoas precisam aceitar isso, desde que ela aceite, pois ele não se importa que ela tem apenas 14 anos.

Como todos podem imaginar (e até esperar), ela acaba sendo violentada. Entretanto, na cabeça dela, estava tudo bem, ela apenas transou com o cara que gostava e eles iriam ficar juntos. Ela começa a se desesperar quando Charlie desaparece e acaba confessando para uma amiga que conta para seus pais e o FBI entra em ação na caça de um maníaco.

Quando vi esse filme no Netflix imaginei que seria apenas mais um filme sobre violência contra a mulher e que seria uma família correndo atrás de uma forma de se reerguer, doce ilusão para mim. Esse filme foi muito profundo e marcante.

Annie é uma adolescente normal, muitas adolescentes já passaram por essa fase de querer se mostrar para os outros, sentir-se bonita, valorizada. Isso acontece e pode ser catastrófico. Ela acabou se envolvendo com um maluco, uma pessoa errada e sofreu por conta disso. Até “pagou” pelo erro que cometeu, mas será que o erro foi dela? Esse é um dos pontos que o filme nos faz refletir.

Após o acontecimento da adolescente no Rio de Janeiro que, desculpem, me recuso dar maiores comentários, muitas pessoas começaram a falar sobre isso ser culpa da mulher, de ela precisar usar roupas descentes, não beber, não fumar, estar em lugares descentes com pessoas descentes, claro que isso não poderia estar mais errado.

Acredito que o filme, Confiar, não tenha sido baseado em uma história real, mas quantas histórias iguais acontecem por aí o tempo todo? É culpa de Annie ela ter se sentido tão triste a ponto de querer alguém por perto? É culpa dos pais dela por não terem monitorado seu acesso na internet? Não, gente, não é. É culpa de Charlie, um homem que deve ter recebido educação, estar atrás de meninas com o intuito de molestá-las.


Além de pensarmos sobre isso, o filme nos faz ver o lado psicológico que um acontecimento desse faz, pois, para Annie, Charlie a amava, ele não havia abusado dela, eles ficariam juntos. Ela acreditava nisso tão piamente que brigou com Deus e o mundo por tentarem afastarem-na dele. Imaginem isso? Ela amava Charlie e o que ele fez não era errado.

Enfim, já me estendi demais, recomento muito que todos assistam esse filme e reflitam. Nós precisamos ser a mudança, precisamos nos portar como humanos que pensam e agem em prol do bem do próximo, não devemos, nunca, nos aproveitarmos de pessoas indefesas por pior que sejam suas roupas ou seu jeito. Decidir ir para a cama com alguém cabe apenas a cada um de nós e isso deve acontecer com quem queremos, onde queremos.


Nota para o filme: 5/5

22 comentários:

  1. Oi Bruna, eu ainda não conhecia esse filme, mas fiquei bem curiosa diante seus comentários. Deve ser bem reflexivo mesmo, ainda mais diante desse lado psicológico.
    Beijos, Fer

    ResponderExcluir
  2. Nossa, Bruna! Eu ainda não conhecia esse filme mas agora você me deixou curiosa. Parece ser muito intenso mesmo e seus comentários sobre ele me deixaram pensativa, imagino quando eu for assistir (claro que agora eu vou ter que procurar que nem uma louca). Esse tipo de filme costuma mexer muito com a gente mesmo e espero que eu goste tanto quanto você gostou.

    ResponderExcluir
  3. Bruna, assisti este filme na época do lançamento e só assisti porque um dos produtores er ao ator que interpretou o Ross em Friends. Então, imagina a minha cara, quando o enredo começou a se desenvolver na minha frente. É um filme mega intenso e infelizmente, muito pertinente aos dias de hoje. Eu o indico para todos os pais de adolescentes. Meninos e meninas, porque isso acontece aqui, na vida real, pertinho de nós.
    Adorei a forma como você descreveu o enredo e as palavras que usou. Sim, ela foi violentada por ele, ainda que na cabeça dela, a coisa fosse romântica e permitida.
    Adorei seu post e estou repassando para muitos amigos.
    Meu Amor Pelos Livros
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Ola Bruna ótima indicação de filme, eu como mãe de uma adolescente com certeza vou assistir junto com ela, acredito servir de uma grande exemplo para os adolescentes, hoje em dia esse tipo de ação por parte dos adolescentes é um perigo. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  5. Oi
    Não conhecia esse livro, mas é o tipo de história que gosto muito de assistir.
    Sem falar que é um grande alerta aos pais e aos adolescentes mesmo.
    Espero ter a oportunidade de ler.
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  6. Oi!
    Esse filme deve ser incrivelmente tenso e ao mesmo tempo cheio de mensagens para as pessoas que sempre culpam a vítima nesses casos.
    Adorei a forma como o tema é abordado, e com certeza irei assistir, pois esse tema é muito pessoal pra mim e sempre procuro ver livros e filmes do tema

    ResponderExcluir
  7. Oi, Bruna

    Eu já havia visto esse filme na programação da TV por assinatura, mas nunca senti interesse. Que erro meu, não? Fiquei chocada com o rumo dos acontecimentos, com o fato de Annie achar que o estuprador a amava! Eu sempre digo que não importa a idade do filho, os pais tem que fiscalizar. Até os meus dezoito anos eu sequer podia ficar no computador com a porta do quarto fechada! Farei a mesma coisa com meus filhos!
    Parece ser um filme de fazer a gente se sentir enojada! Já quero muito ver, na casa da minha irmã tem Netflix, se eu lembrar vou colocar dá próxima vez que eu for lá.

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Eu fiquei conhecendo o filme há muito tempo atrás, mas o trailer não tinha me chamado muito a atenção. Mas sua resenha mudou totalmente meu pensamento.
    Deve ser um filme bem triste de assistir, bem sofrido.
    Indico um que segue mais ou menos essa linhas mas, infelizmente, não tem um final feliz: um olhar do paraíso.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Oi!!!

    Estava na dúvida em assistir ou não esse filme! Saiu no Netflix recentemente né? Bati o olho nele e fiquei em dúvida do que encontraria. Obrigada pela resenha pq agora vou ir ver! Gosto desse tipo de assunto, então sempre bom ver/ler sobre!

    Bjus
    Blog Fundo Falso

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Olá

    Já assisti a esse filme mas achei a personagem bem tapadinha. Como ela vai pro motel com um cara de 40 anos? Não acho que a culpa é da mulher, como você citou que algumas pessas dizem, mesmo se uma mulher quiser e logo depois desistir e o cara "forças" isso é estupro. Acho que o filme vale mais a pena pelas consequências que ele trás pra vida da família e a menina se tocar de tudo que aconteceu. Achei legal sua opinião mas não curto o filme, mas é sempre bom ver opiniões diferentes da nossa.

    Everton equipe RIllismo

    ResponderExcluir
  12. Oiee Bruna ^^
    Drama é um dos meus gêneros favoritos, mas a premissa do filme não me chamou a atenção *-* perdão pelas palavras, mas eu não tenho paciência para adolescentes lerdos *-* haha' Mesmo sabendo que a culpa não foi da menina, que ela só queria atenção e o tal Charlie lhe deu a atenção, fazendo pressão psicológica ou sei lá o que ele fez com a menina para que ela achasse que o amava... Não sei se assistiria, não é o tipo de filme que eu curto o.O
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Nossa Bruna o filme é pesado mesmo. E realmente é o que os homens fazem quando pensam em pegar meninas assim. Porque as iludem com a questão de relacionamento e dependendo do que elas possuem na mente elas acreditam. Muito legal a sua dica de filme porque acredito que estes filmes deveriam passar nas escolas!

    Beijos,

    Greice Negrini

    Blogando Livros
    www.blogandolivros.com

    ResponderExcluir
  14. Esse filme não me atraiu não... acho a história muito pesada para mim, em que situação essa menina deveria estar para ser violentada e ainda defender o molestador, acreditando que eles se amavam e ficariam juntos! Não tenho estômago para esse tipo de coisa e histórias como essas me fazem perder ainda mais a fé no mundo, então prefiro evitar.

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  15. Oi!
    Eu não conhecia o filme, mas parece ser uma história bem forte, mas importante para quem quer entender sobre esse crime tão comum. Por enquanto eu não assistiria, mas é uma boa indicação.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. Oi Bruna, tudo bem?

    Uau! Mas que filme, hein! Que enrendo chocante e tão importante. Meu Deus, fico até sem saber o que falar. Primeiramente muito obrigada pela dica, de verdade. Pode ter certeza que assistirei esse filme amanhã mesmo.

    Concordo com tudo o que você disse sobre a questão da moléstia. Não é porque a pessoa, nesse caso a mulher, está vestida com roupas curtas ou tem envolvimento com pessoas de caráter duvidoso que elas merecem sofrer abuso. Ou no caso do filme, não é só porque é uma adolescente inexperiente e sensível que serve como vítima para pessoas maldosas.

    Esse filme é muito ousado ao trazer um tema tão forte e como você disse, de maneira tão profunda. Precisamos mesmo e materiais assim.

    Por isso, mais uma vez, obrigada pela dica.
    Parabéns pelo trabalho
    Ingrid Cristina
    Plataforma 9 3/4

    ResponderExcluir
  17. Oii....
    Eu fui uma das pessoas que realmente não gostou do filme, a ideia geral do filme é bom, o alerta aos pais e as crianças também é bom, só achei a produção do filme muito fraca, e o final não me agradou nem um pouco, como eu disse antes, a ideia geral do filme, a critica que ele faz a sociedade e tudo mais é muito boa mas o filme em si não é bom... mesmo assim gostei do post e é muito bom saber sua opinião sobre o assunto...
    Beijocas...
    https://westfalllivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  18. Há muito tempo atrás, assisti esse filme na escola, tenho que dizer que tinha uma mente totalmente diferente da que tenho hoje, e por isso culpava (em parte) a protagonista pelo que lhe aconteceu. Mas, hoje, percebo que ela não tem um pingo de culpa sobre o que lhe aconteceu, é algo horrível e ninguém merece passar pelo o que ela passou. Depois que assisti pela segunda vez, chorei bastante e desejei que as mulheres parassem de se sentirem culpadas e de serem culpadas por algo que elas não puderam controlar. É um filme muito bom e que dá muito espaço para discussões, ainda mais nos dias de hoje, com todo essa cultura do estupro sendo espalhada ao invés de serem contidas.

    ResponderExcluir
  19. Sempre que possível estou assistido filmes do gênero drama, e esse sem sombra de dúvida é bom, apesar de tratar de um assunto delicado como o estupro que por sua vez, vem ganhando mas espaço e assim poder prevenir futuros estupros ou ate mesmo fazer com que que já sofreu com isso possa denunciar, irei assistir !

    ResponderExcluir
  20. Olá!

    Não conhecia esse filme antes, mas é de fato um assunto muito atual e que nos faz refletir muito sobre isso. Este filme parece além e emocionante ser um pouco assustador.
    O filme deve fazer refletir muito sobre nossa atualidade e com certeza deve servir para conscientizar algumas pessoas por aí. Assim que puder eu vou assistir esse filme.

    Beijinhos!
    Cantinho Cult

    ResponderExcluir
  21. Já assisti esse filme, e se não me engano foi sim baseado em fatos reais! Mas posso estar enganada! Concordo com você quando diz que a culpa foi do molestador, e ela não foi a unica vitima! Acabou com o psicológico dela e com o de toda a familia! Gostei bastante da resenha sobe o filme, e também o recomendo!

    ResponderExcluir
  22. Oi Bruna, eu assisti esse filme um tempo atrás e lembro que gostei e me emocionei muito. Realmente é uma história muito real e ainda mais nos tempos atuais. Fico feliz que você tenha gostado, eu também sempre recomendo ele, é um filme que deve ser assistido por todos!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/?m=1

    ResponderExcluir