sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

[Resenha] Cara de um, focinho do outro - Marcos Fernandes

Cara de um, focinho de outro é um livro que nos faz imaginar como agimos de forma prejudicial com nossos animais e somos culpados por muitas coisas que lhes acontecem.

Não é um romance que possui uma história, mas um livro que analisa a forma que os animais agem e, principalmente, a forma como nós agimos como eles, como disse anteriormente. O autor analisa vários outros autores, incluindo Freud e isso deixou o livro, ainda mais interessante.

“A humanização dos animais, de forma simples e objetiva, é um fenômeno causado por carências peculiares ao homem moderno. O ser humano que decide pela companhia do animal em detrimento à companhia do próprio homem o faz, na verdade, por uma garantia de lealdade e integridade no relacionamento, aspectos que considera difíceis de conseguir nas relações entre pessoas no mundo de hoje. É uma decisão por não sofrer críticas, traições, questionamentos, abandonos, decepções...”

Nós estamos procurando, cada vez mais, afogar nossas mágoas com os seres humanos em animais. Por exemplo, um casal que não tem condições de ter um filho decide adquirir – sim, adquirir, pois a maioria não adota – um animal para suprir essa necessidade. A partir daí o animal é humanizado, chamado de filho e tratado como um bebê, o casal não percebe o quanto isso faz mal. E não estou dizendo apenas o casal estou dizendo todos, porque eu, como dona de vários cãezinhos, tenho o costume de trata-los como filhos e faço isso todo o tempo.

“Atualmente, o animal de estimação tornou-se o mais novo membro da família. Muito diferente dos filhos que, com o passar do tempo, “criam asas e voam”, os animais, na medida em que o tempo possa, ficam ainda mais dependentes de nós. Essa nova dinâmica familiar terá implicações importantes em cada membro da família, com benefícios e prejuízos.”

Algumas doenças que achamos serem compatíveis com as nossas acontecem por conta de campos de energia e, principalmente, a humanização de animais.

Esse livro é mais do que recomendado para as pessoas que possuem seu animal de estimação e para aquelas que pretender ter um, pois ele fará com que você tenha uma atitude correta com os animais e os deixem agir de forma mais natural e como devem, de fato, ser. Além disso, essa edição está mais do que maravilhosa, a Butterfly caprichou demais. Ao início de cada capítulo possui a foto de um animal e possui ilustrações maravilhosas, mesmo em preto e branco.


Classificação:

4 comentários:

  1. Oi, Bruna!
    Pra quem tem animais, esse livro deve ser um deleite. Infelizmente, ele não me chamou a atenção.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      É mesmo.
      Uma pena não ter chamado sua atenção.
      Beijos

      Excluir
  2. Oi, Bruna.

    Eu já tinha te falado, mil vezes, que queria muito esse livro. Ainda quero. O fato de ele ser um pouco mais... "racional", digamos, me chamou atenção. Há muitas coisas que eu gostaria de entender sobre a relação entre o homem e o animal.
    Você falou, em sua resenha, algo que me chamou atenção. Então é errado que o ser humano trate o animal como parte da família? (eu não consigo ver isso como ruim :O! Mais um motivo pelo qual preciso ler este livro, quero entender isto).
    Enfim, concordo contigo quanto a estética. O livro é lindo!

    Beijos, bom fim de ano!
    Thamiris, Historiar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tha,
      Sim. O que acontece, os animais devem ser tratados como animais, mas temos mudado isso e substituído as pessoas por animais.
      Espero que você goste muito da leitura.
      Beijos

      Excluir