segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Lúcia, Lindinalva e o rótulo da prostituição

Oi pessoal, tudo bem?
O texto de hoje é um artigo de opinião que eu fiz para a disciplina de Literatura I no curso de Letras. Se vocês ainda não leram Lucíola, eu indico muito a leitura. Espero que vocês gostem!


Embora não seja idêntico aos séculos passados, o rótulo dado a prostituição em pleno século XXI ainda é um fantasma que nos assombra. Isso porque, no passado, as pessoas costumavam caracterizar a mulher ideal. A mulher era vista, de modo geral, como uma figura pura e angelical. Lúcia, personagem do livro Lucíola, de José de Alencar, e também Lindinalva, personagem criada por Walcyr Carrasco em uma adaptação novelística do romance Gabriela Cravo e Canela, de Jorge Amado, são exemplos que ilustram tal perfil ideal de formas diferentes. Mas, ao mesmo tempo, elas se desviam dessa incrédula idealização, pois ambas são prostitutas rotuladas pela sociedade. 

Lúcia passou por uma transformação para ocupar um posto que exemplifica a mulher ideal. Ela transitou da vida pecaminosa de uma prostituta a vida de uma senhora imaculada, ou seja, a característica imposta pelos quase inacreditáveis costumes sociais do século XIX que definiam a idealização da mulher. Nessa transformação, a protagonista do romance não pôde obter sua virgindade novamente, mas conseguiu alcançar outro tipo de virgindade, a do coração. Dessa forma, me questiono: Por que Lúcia não poderia ser idealizada com sua alma e costumes de meretriz?

Caminhando no sentido oposto, mas com uma característica em comum com Lúcia, a personagem Lindinalva, da adaptação novelística de Gabriela Cravo e Canela, também faz uma espécie de transição. Lindinalva é uma moça ingênua e pura, ou seja, a espécie arquitetada pelos olhos sociais. Além do fato de estar noiva e prestes a se casar. Mas, conforme algumas decorrências do destino, ela acaba por se tornar uma prostituta do “Bataclã”. Neste momento, apesar de permanecer forte internamente, Lindinalva perde toda a sua credibilidade perante a sociedade. 

Lúcia e Lindinalva são mulheres. Ambas carregam os motivos que as levaram à prostituição. Se isso aconteceu por opção ou não, pouco importa, a questão a que quero chegar é outra. Essas mulheres foram vítimas das consequências de suas vidas e nem por isso deixaram de nutrir sentimentos puros e singelos por si, pelos outros e pela própria existência. Por qual razão isso não é imposto na idealização? Amar verdadeiramente deveria ser uma regra que todos deveriam cumprir. Lúcia e Lindinalva receberam muito mais que algumas ofensas covardes e olhos revirados, elas foram vítimas do preconceito. Mas, admiravelmente, enfrentaram os julgamentos com a cabeça erguida.

Logo, fica perceptível que a prostituição, conforme o pensamento da sociedade de modo geral, faz o desvio do perfil feminino ideal. Nenhuma senhora que não seja pura será vista com olhos acolhedores. Mas a mulher é dona do seu próprio corpo e deve fazer dele o que bem entender. É necessário que esse perfil ideológico se quebre por completo. Lúcia e Lindinalva, por exemplo, souberam ignorá-lo. Não estou diretamente incentivando a prostituição, estou incentivando a vontade individual e os desejos reprimidos. Precisamos aplaudir Lúcia e Lindinalva por sua atitude e força, e acabar com os vestígios do ato de rotular as pessoas que ainda nos cercam.

Por Thamiris Dondóssola, blog Historiar.

49 comentários:

  1. Olha parabéns pelo trabalho. Muito bom mesmo. A forma como vocês colocou os fatos e as pesquisas ficou muito legal. Espero que tenha tirado uma ótima nota no trabalho de faculdade. Pois está ótimo.

    Beijos.
    Kah Fernandes
    Booksandcarpediem.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Primeiro quero ressaltar sua ousadia por fazer um trabalho com um assunto tão polêmico..parabéns! E concordo com sua visão, muitas pessoas vem "prostituas" apenas como objetos e nada mais, esquecem que são pessoas comuns, que talvez por conta do destino ou do que já vivenciaram acabaram nessa profissão e que são mulheres com emoções e sentimentos iguais a nós!
    Um abraço
    Camila Bernardini Coelho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho, Camila. E pelas palavras.
      Beijos

      Excluir
  3. Oi ...
    Thamiris a única coisa que posso dizer aqui é ... PARABÉNS !
    Amei seu texto :)
    Beijos

    http://coisasdediane.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Texto muuuuito bom e me deu vontade de ler a obra Luciola agora. Adoro isso, me empolguei!
    Parabéns pelas palavras muito bem colocadas!

    >> Vida Complicada <<

    ResponderExcluir
  5. Oie!
    Menina, parabéns pelo texto, e pela coragem de escrever sobre algo que sempre gera discussões.
    Confesso que li Lucíola quando estava no colégio, mas na época, não entendi nada da história e por isso, não consegui compreender o que o autora queria retratar.
    Acredito que a vida nunca é fácil para ninguém, e se é por opção, escolha, única saída, não interessa para nós. Elas continuar a ser pessoas como nós, com sentimentos e sonhos, que devem ser respeitados.
    Parabéns pelo seu texto!
    Bjks!
    http://www.historias-semfim.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Carla, muito obrigada querida.
      Ah! Eu não tive a oportunidade de ler Lucíola na época do colégio, aliás, li poucos livros.
      Você falou o que eu quis passar. Cada um faz suas escolhas, vamos respeitá-las.
      Beijos

      Excluir
  6. É um tema bem complexo e abordado em muitos outros livros da nossa literatura. Sabe uma coisa que contribui muito para uma visão ruim das prostitutas é que a imensa maioria não faz isso por que quer mas por que são obrigadas, coisas como tráfico humano, exploração infantil, seria muito bonito se fosse só uma questão de decidir 'o que faço com meu próprio corpo só diz respeito a mim' só que não é só isso.
    Já a questão da idealização, acho super normal, nós meninas, idealizamos Principes Encantados lindos que nunca vão dicutir conosco, ou bad boys fogosos que sempre terminaram as discuções na cama

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, contribui com uma visão ruim porque as pessoas acabam as julgando pelo fato de serem, de certo modo, obrigadas. Mas, bem, preciso dizer: Algumas mulher escolhem sim porque querem. E devemos respeitá-las.
      Eu sou uma menina e não idealizo um príncipe encantado.
      E não acho nem um pouco normal essa idealização feminina do século 19. Ela é, no mínimo, ridícula!

      Excluir
  7. Ola Thamires lindona parabéns pelo texto menina adorei, o tema em si é bem polêmico, afinal somos donas de nosso corpo e a sociedade com ideias preconceituosas até trazem vivem essa ideologia sem fundamento. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  8. Olá!

    Parabéns!!! Gente <3 <3 <3 Que texto lindo e bem escrito. Gostei da forma como você abordou o tema que além de polemico, acho que não é tão bem explorado na nossa blogofera.
    Por favor, compartilhe mais trabalhos como esse conosco.


    Beijinhos,
    www.entrechocolatesemusicas.com

    ResponderExcluir
  9. Olha primeiramente tenho que confessar que adorei o texto
    A forma como você escreveu chamou bastante minha atenção e acho
    legal tu compartilhar com outras pessoas até nas redes sociais viu? Muito bacana mesmo.
    Eu queria tanto ter dom de escrever assim, mas eu sou uma negação hahahaha

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2015/11/resenha-tao-insano-quanto-voce.html

    ResponderExcluir
  10. Olá, Thamiris.
    Eu achei seu texto muito bom. O assunto abordado é super relevante. Desde que o mundo é mundo que existem profissionais dessa área e vai continuar existindo. O engraçado é que os homens deixam suas santas mulheres em casa e procuram nelas o que eles não querem que suas mulheres façam.

    ResponderExcluir
  11. Oi, Thamiris!
    Primeiramente quero te parabenizar pelo texto, pois está muito bem escrito e você conseguiu se fazer entender de uma forma que não tenho nem palavras para explicar.
    Ainda não tive a oportunidade de ler Lucíola, mas esse é um dos clássicos que já está na minha lista de futuras leituras.
    Adorei a tua coragem em escrever sobre um tema um tanto quanto polêmico, ainda mais aqui em nossa sociedade onde a hipocrisia rola solta. Acho muito engraçado o fato de que, se você é mulher e resolve seguir seus desejos, sejam eles de ser prostituta, de não querer ter um relacionamento sério e somente se divertir ou tantas outras coisas que a sociedade julga inadequado para nós, você logo de cara é taxada como alguém sem moral e que não se deve levar a sério. Mas se um homem resolve fazer isso, é super normal, até mesmo esperado, afinal ele é homem. Acho isso tão injusto, revoltante até, mas o pior é saber que muitas mulheres acham esse pesamento correto e que muitas delas são as primeiras a julgar alguém por isso.

    Beijos!
    Books and Movies
    www.booksandmovies.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jessica,
      São comentários como o seu que me fazem não desistir de escrever, muito obrigada.
      Espero que tenha oportunidade de ler o livro logo.
      Isso é injusto sim, mas "isso" tem nome: machismo.
      Beijos ♥

      Excluir
  12. OI Thamiris, olha, infelizmente quando o termo sociedade foi criado, também foram criados termos que compunham esta questão social dentro de que a prostituição de certa forma desde antigamente era vista como um ato de reprimir desejos masculinos perante mulheres "santas" e naquele momento estava ok e hoje é da mesma forma. O porém é que o termo ficou generalizado e hoje quando a mulher tem mais valor e poder sobre seu corpo também é atribulada a este termo. Nada mais é do que um preconceito. Infelizmente.

    Beijos,

    Greice Negrini

    Blogando Livros
    www.amigasemulheres.com

    ResponderExcluir
  13. Oiiie,

    Você tirou a melhor nota da sala, não é? Simplesmente adorei o seu texto, abordou tudo e de uma forma que não faz o leitor de cansar. Como apreciadora de uma bom texto, com um bom português, posso dizer, que está muito lindo. Parabéns!

    Bjs

    ♡ Amantes da Leitura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Estefânia,
      Ai sua linda! Obrigada pelo carinho ♥
      Beijos

      Excluir
  14. Oiee ^^
    Lendo o seu texto, uma frase me veio à cabeça: "meu corpo, minhas regras." É incrível como a sociedade tenta nos dizer o que fazer com nossos corpos, não é mesmo? E é mais incrível ainda que somente as mulheres passem por isso. Aplaudir mulheres que deixam esse preconceito todo de lado e vivem uma vida difícil por conta das circunstâncias é pouco... Amei o seu texto ♥
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Dryh,
      Exatamente. MEU CORPO, MINHAS REGRAS. Ponto final.
      Muito obrigada ♥

      Excluir
  15. Olá, eu adorei a forma como você se expressou no trabalho, achei incrível, de verdade! A prostituição é um assunto muito delicado de comentar na sociedade, e pelo que você conta nesses livros ele é bem abordado. gostei bastante e os livros entraram para a minha lista!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  16. Olá!
    Eu tive uma discussão semelhante na minha disciplina de Sociologia I e eu achei isso bem interessante. Ainda não li o livro, mas ainda me lembro dessa discussão sobre a prostituição e sobre e personagem Lucíola. Acho um livro incrível e pretendo ler em breve.
    Parabéns pelo seu texto!
    Delírios Literários da Snow

    ResponderExcluir
  17. Adorei o texto. Parabéns pela ousadia em falar tão bem sobre um tema tão delicado, tão 'tabu'.
    É estranho ver como as pessoas rotulam tudo, como tudo precisa se encaixar um molde...
    Ótimo texto, faz a gente pensar.
    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Olá, Thamiris!

    Queria te dar os parabéns pelo texto, ficou muito bom. Além disso, o tema é extremamente ousado e, por que não, delicado. Mas mesmo assim você conseguiu expressar sua opinião e analisar tudo brilhantemente. O livro realmente é ótimo, está no Top 10 dos livros que li no Ensino Médio.

    Beijos, Maria.
    http://nerdsideblog.tumblr.com

    ResponderExcluir
  19. Oi
    Adorei seu trabalho.
    Tive a oportunidade de ler esses dois livros, também na Faculdade de Letras e realmente é impressionante as semelhanças entre essas duas mulheres, mesmo em épocas diferentes.
    Concordo que essas mulheres são fortes, mas vítimas do próprio destino.
    Estou com você na defesa da vontade individual.
    Adorei seu trabalho, parabéns.
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rízia,
      Muito obrigada. Bem, até onde eu sei, a Lindinalva só faz parte da adaptação novelística. Eu li Lucíola, Gabriela Cravo e Canela, não.
      Obrigada! Beijos

      Excluir
  20. Oiee.
    Li poucos classicos na vida e Lucíola é um que fiquei com vontade de ler desde que vi uma resenha. Não me lembro em qual blog foi, mas pode até ter sido no teu.

    Bom, gostei da forma como você expôs o texto e espero que tenha sido um ótimo trabalho. Nunca tinha pensando na mulher como algo puro e angelical, e talvez isso se deva a minha pouca leitura dos classicos mesmo.
    Parabéns pelo texto

    Beijos da Fê
    As Catarina´s

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fernanda,
      Realmente, se você tivesse mais contato com eles, essa figura angelical se tornaria bastante evidente.
      Obrigada!
      Beijos

      Excluir
  21. Ótimo trabalho! Seria tão bom se as pessoas parassem de ter pena de si mesmas e também de julgar o próximo. Na verdade, vivemos em meio a hipocrisia, onde um grupo defende seu lado alegando querer direitos iguais mas ataca o outro lado e vice-versa.

    Em um dos parágrafos você fala sobre a decisão delas de amar, independente do que sofreram. Eu aprendi que amor é decisão, você decide amar (mente) e então, a ação se transforma em sentimento (coração). Seria tão bom se as pessoas decidissem amar!

    Beijinhos!
    www.citacaonumclick.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É exatamente isso que acontece, Carol. Infelizmente.
      Verdade!
      Beijos

      Excluir
  22. Oii

    Parabéns pelo texto, está mesmo incrível. Achei bem impressionante a forma que colocou os fatos apresentando duas personagens "iguais" de histórias distintas. E com certeza colocarei o livro Luciola em minha lista de leitura.

    beijos

    ResponderExcluir
  23. Olá!
    Wow, que textão. Nunca li Luciola, mas a Lindalva reconheci a referencia, ela era acho que minha personagem favorita da novela (bem que eu não assistia muito), mas ela era melhor que muitas pessoas naquela cidade, e grande parte das que a julgavam eram mais sujas ainda. Adorei o texto, sério, parabéns!
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Kah,
      Sim! Também era uma das minhas personagens favoritas.
      Obrigada ♥

      Excluir
  24. Oi Thamires, sua linda, tudo bem
    Gostei do texto que escreveu principalmente pelo fato de ter enxergado semelhanças entre dois personagens femininos de obras diferentes. Esse paralelo que traçou entre as duas obras enriqueceu o texto com certeza. É um assunto muito polêmico, envolve muitos argumentos. Mas não gosto de taxar ninguém, para mim uma pessoa é uma pessoa.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  25. Olá!
    Realmente a sociedade se prende a muitos rótulos, mas acho que cada um tem que ter o bom senso. Se a mulher quer sair com vários homens tudo bem, é o corpo dela ela faz o que quer. Só que ao mesmo tempo ela tem que aguentar os comentários e olhares, pois cada um pensa de um jeito e isso nós não podemos mudar. A eu tenho uma posição muito rígida com relação a uma vida sexual muito liberal. Não que eu me reprima, mas acho que tudo vai do bom senso de cada um. Enfim! Esse tema é bem complexo e cada um enxergar de uma forma.
    Beijinhos!
    http://eraumavezolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir