quinta-feira, 8 de outubro de 2015

[Resenha] A Aprendiz do Amor - Ricardo Orestes Forni

Numa época medieval, Angélica é uma princesa que vive rodeada de luxo e riqueza, porém, pouco se importa com o conforto do qual desfruta em seu castelo. Sua maior preocupação é com os pobres que vivem nas redondezas. Ao conhecer o humilde jardineiro Antônio, Angélica passa a questionar seus privilégios em relação ao povo humilde.Porém, seu pai, um rei poderoso e egoísta, não se conforma com as atitudes humanistas da filha. Ajudado por uma serviçal gananciosa, muito próxima de Angélica, o rei se vinga, mandando prender o jardineiro e expulsando a filha do palácio. Todos pagarão um preço por suas decisões. O que será que o destino reservará a cada um deles?


A história, narrada em terceira pessoa e em uma época medieval, começa do ponto em que Angélica começa a se questionar sobre o porquê de haver tanta diferença no mundo: uns com tanto e outros com nada.

Angélica é uma jovem princesa, de 16 anos. Seus lindos e longos cabelos loiros chamam a atenção por onde passa, além de possuir dois lindos olhos azuis. Nossa princesa tinha tudo para ser extremamente feliz: vivia em um castelo, possuía roupas lindas, tinhas muitos empregados, enfim, tudo o que uma jovem gostaria de ter. Mas, como disse anteriormente, ela começa a se questionar sobre as diferenças e quer entender porque Deus não faz nada para mudar isso. 
“Pessoas que não tinham sequer um pedaço de pão para mitigar a fome estendiam as mãos à caridade alheia! Que tipo de mecanismo Deus utilizada para direcionar essas pessoas para o sofrimento igual ao que via de coração contrito? Crianças e mães vestidas de trapos, descalças, de cabelos despenteados a buscar alguma caridade para se verem socorridas em suas penúrias! Homens aleijados depois de participarem de batalhas na defesa do reino, e abandonados quando não tinham mais serventia para a guerra! Velhos sem força para o trabalho braçal aguardavam no burburinho apressado do povo aflito uma migalha de solidariedade para sobreviver à fome de cada dia!”

A única pessoa que poderia ajuda-la é seu pai, o rei, e, quando o questiona sobre isso, sua resposta é que as pessoas que não são abastardas foram esquecidas por Deus e que ela deveria se contentar de possuir tudo e, principalmente, de ser filha de um Deus – pois é assim que ele se considera.

Antes de dormir e bastante magoada, pois vira seu pai brigar com o jardineiro que cultivava as mais belas rosas, Angélica pede à Deus para que possa ter um conhecimento maior e é, durante o desdobramento, que ela conhece Joanna uma alma amiga que vai lhe ensinar muito sobre a vida e sofrimento. Um dos conselhos de Joanna é que a Princesa se aproxime de António, o jardineiro, pois este é uma pessoa muito sábia e lhe trará excelentes ensinamentos.

É atendendo ao conselho de Joanna que Angélica descobre um mundo repleto de sofrimento, mas que nota que todos nós – abastados ou não – podemos ajudar. E é nesse momento que sua vida passa a ter sentido: Ela pode, quer e vai ajudar os mais carentes, mesmo que o pai não goste disso.

Estava ansiosa em demasia para ler essa história, pois ela possui um significado muito grande pra mim. Angélica é uma pessoa de um coração enorme e ela apenas gostaria de ajudar àqueles que nada possuem, será que é muito errado pensar assim? Eu, particularmente, já pensei da mesma forma que ela: Por que Deus dá tantos para alguns e tão pouco para outros? Mas, a verdade, é que não existe uma resposta para essa pergunta e isso fica bastante claro no livro.

Todos nós estamos aqui para cumprir uma tarefa, seja qual for, mas, acima de tudo, para evoluirmos. Como fazemos isso? Ajudando ao próximo sem nada esperar em troca. Nós não podemos tomar a cruz do próximo para carregar, mas podemos lhe dar alimento e agua o que pode tornar a sina mais branda.

O pai de Angélica é um ser detestável, ele possuía tudo em suas mãos para fazer a diferença, fazer bem e ajudar os mais necessitados, mas, infelizmente, esse não é o caminho que ele escolhe. E ele destina toda sua raiva à sua filha, isso foi muito dolorido de ser lido. António, o jardineiro, é um pobre homem que possui um coração maravilhoso. Ele faz valer o ditado de quem pouco tem, muito doa.

Como disse anteriormente, estava demasiadamente ansiosa para ler esse livro e não me decepcionei. A trama foi bastante envolvente e os personagens foram muito bem criados. É um livro que recomendo muito a leitura, pois ele trás uma lição: Devemos ajudar nosso próximo. Por isso digo: Leiam esse livro. Se você não acredita na doutrina espírita, leia como um livro ficcional e tire essa linda lição que ele transmite.

Informações adicionais:
Título: A Aprendiz do Amor
Autor: Ricardo Orestes Forni
Editora: Petit
Páginas: 192
Classificação: 
Onde Comprar: Site da Editora

Cedido em parceria com a Editora.

21 comentários:

  1. Oi ...
    Estava muito ansiosa para ler essa resenha ! Desde que você disse que leria esse livro fiquei aqui esperando rsrsrs
    A leitura parece ser bem bacana e digna de grandes mensagens bonitas ... Espero poder o ler em breve :)
    Te indiquei numa tag , lá no blog :)
    Beijos

    http://coisasdediane.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Di,
      Fico feliz que tenha se interessado e espero que curta a leitura.
      Obrigada pela indicação.
      Beijos ♥

      Excluir
  2. Não conhecia esse livro, mas super me interessei!
    Quero leeer o/

    Sankas Books

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Thay,
      Fico feliz que tenha se interessando.
      Beijos

      Excluir
  3. Oie! Eu divulguei esse livro no meu blog, achei a história bem interessante, espero em breve ler!
    Bjs, se puder comentar nesse post ajudaria muito: http://resenhasteen.blogspot.com.br/2015/10/novidades-3.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A História é, de fato, interessante.
      Espero que leia e goste.
      Beijos

      Excluir
  4. Olá Bru,
    Eu tenho o mesmo pensamento de Angélica. Não sei ao certo o motivo, mas meio que me coloquei no lugar dela e fiquei imaginando o que eu faria se o meu pai, o rei, me dissesse para fazer o que ele disse.
    Já me apaixonei por Joanna - Liguei-a a uma fada madrinha, hihihi. Acho que ela abriu a porta para a realidade.
    Sim, não existe uma resposta para o motivo de muitos ter pouco e poucos ter muito, etc. Cabe a nós mesmos, decidir se vamos tentar fazer algo a respeito ou não.
    Enfim, fiquei encantada com sua resenha linda! ♥
    Beijos,
    Blog Historiar


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tha,
      Isso foi o que me aproximou dela: a similaridade entre nossos pensamentos. Sim, a Joanna pode ser vista exatamente dessa forma: como uma fada madrinha.
      Fico muito feliz que você tenha gostado da resenha.
      Beijos

      Excluir
  5. Olá Flor
    Tudo bem?
    Eu não não sabia que a historia era tão envolvente assim,não tinha parado para ler a sinopse,mais me conquistou e mediatamente<3 sua Resenha esta carregada de sentimentos, entendo exatamente o que Angélica sente, eu mesma sempre venho conversando com minha mãe sobre essas coisas, realmente parece que a vida as vezes injusta, mas talvez seja preciso que ela seja assim,não acredito que deus age de forma errada,se esta acontecendo assim e por que existe planos para todos nos no futuro,mais o ideal e amarmos ao próximos, ajudarmos quantas pessoas pudermos todos os dias, enfim amei de montão, muito bonito.BEIJOS
    http://resenhaatual.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      É justamente isso que a Angélica aprende: Deus não é injusto em momento algum e isso foi fascinante, pois podemos notar como ela obtém esse aprendizado.
      Acredito que ajudar o próximo é muito importante para o mundo e, melhor, nos torna mais sábios e mais felizes.
      Beijos e obrigada pelo comentário ♥

      Excluir
  6. Oi, tudo bom?
    Não costumo ler sobre livros de época, eles não me encantam nem me prendem a atenção. Por isso acredito que não iria gostar dessa leitura ;/
    Beijos, lendocomabianca.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii Bianca, tudo e você?
      Uma pena não gostar, pois o livro é realmente bom e não tem muito foco da época em que se passa ;/
      Beijos

      Excluir
  7. Não conhecia o livro mas fiquei super interessada. Pela sua resenha, ele parece ser bem fofo e interessante.
    Essa história podemps trazer pro dia-a-dia: pessoas que tem tudo mas que não fazem nada pelo próximo. Bem o nosso cotidiano, infelizmente.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  8. Parece um livro que traz muitos ensinamentos, e em uma época tão linda.

    http://jj-jovemjornalista.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oi!! :)
    Achei a premissa do livro muito legal. Gosto de livros espíritas e estudo a doutrina, então leria com certeza. A questão das diferenças sociais e da caridade é super importante, são lições que precisam se repetir, porque mesmo vendo vários exemplos de histórias do tipo, às vezes a gente demora a realmente querer modificar e se importar com o outro, que está numa posição social desprivilegiada. Ainda mais nesses tempos de debates acalorados sobre maioridade penal e as punições para crimes, que aqui só tendem a deixar a pessoa pior que quando entrou na "prisão". Onde está nossa percepção diante dessas realidades?
    Adorei a resenha.
    Beijo.
    http://vivianpitanca.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Olá, Bruna, tudo bem?
    Não conhecia o livro, mas me interessei bastante ao ler sua resenha. Acho muito importante ler histórias com personagens que vão evoluindo com o passar das páginas.
    Recomendo muito um livro que passa uma mensagem assim, se chama, O Livro do Amanhã.
    Até mais. http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Bruna!
    Os livros da Petit são fabulosos porque sempre trazem ensinamentos e mesmo que não saibamos as respostas, podemos ter uma orientação de como melhorar nossa lado espiritual.
    Ansiosa também por poder ler esse livro que me parece um engrandecimento.
    Temos de ajudar o próximo da melhor forma que podemos e aprender com eles.
    “O que vale na vida não é o ponto de partida e sim a caminhada. Caminhando e semeando, no fim terás o que colher.”(Cora Coralina)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista, serão 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
  12. Bruna, no começo não dei nada para A Aprendiz do Amor, já que não me encantou com sua capa e sinopse. mas, com a resenha, fui percebendo os pontos fortes que a trama tem. Me encantei pela personagem Angélica e sua personalidade de uma verdadeira guerreira, tentando ajudar os mais carentes, mesmo contra a vontade de seu pai, rei. Gostei bastante!

    ResponderExcluir
  13. Oi, Bruna!
    Fico feliz que você não tenha se decepcionado com o livro. Realmente parece ser uma história muito boa e envolvente. A obra parece passar um ensinamento muito lindo. Só que, não me interessei pela história e não entendi qual foi o motivo... Mesmo assim, fico bem contente por sua experiência ter sido boa.

    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Nunca tinha ouvido falar desse livro,mas parece ser um livro muito lindo e eu adorei a capa,fiquei me perguntando o que vai acontecer com a Angélica depois que ela for expulsa do palácio.Já me dá um ódio desse rei só de ler essa resenha,mas acho que dever ser um tipo de leitura que eu vá gostar.

    ResponderExcluir
  15. Olá

    Gostei da premissa e da resenha, quero ler esse livro porque tenho muita vontade de ler um livro espírita, sem contar que a capa do livro é linda.

    Bjss

    ResponderExcluir