domingo, 22 de junho de 2014

[Resenha] 1222, Anne Holt

Título: 1222
Autora: Anne Holt
Editora: Fundamento
Páginas: 303
Onde comprar: Saraiva

Há um ditado que diz para não jugar um livro pela capa. E realmente, muitos deles são desmerecidos pela mera aparência. Contudo, o oposto também pode ocorrer: a capa de "1222" prometia muito; e não só ela, mas a sinopse também. O problema é que todos sabem que o mundo não é feito de promessas, e sim, de ações. Foi, basicamente essa a impressão que tive do suspense de Anne Holt. Faltou consistência na história que só prometeu e não cumpriu.

"1222" é um mistério fraco, pouco interessante, monótono e sem fundamento, apesar de muitos dizerem que a atenção do leitor fica retida nas páginas do início ao fim. Mentira. Isso não acontece. Anne Holt não conseguiu construir uma situação que denote os fatos e as pessoas suspeitas - basicamente não há pistas que fazem o leitor confiar ou desconfiar de alguém, ou seja, não há interação. E quando o assassino é finalmente desmascarado, não surge aquela sensação de euforia que esperamos sentir em tais momentos.

A impressão que tive, é que a autora estava mais preocupada com o monólogo interior da personagem principal - Hanne Wilhelmsen - do que com o mistério em si. O livro é composto, quase que inteiro, por diálogos que nada tem de relevante para a trama e por pensamentos de Hanne - na maioria das vezes completamente inúteis.

Hanne Wilhelmsen é uma ex-policial que teve sua vida mudada depois de um acidente: levou dois tiros nas costas, os quais a paralisou das pernas para baixo. Depois disso, a mulher de meia idade tornou-se reclusa, amargurada, arredia e completamente fechada à sociedade. Mal sabia ela que sua vida estava prestes a mudar após embarcar em um trem - de Oslo a Bergen -, que descarrilhou no túnel da montanha Finsenut. O frio estava cortante - 20 graus negativos - e a neve foi a responsável por cobrir os trilhos.

Porém, o acidente não poderia ser classificado como desastroso, uma vez que houve somente uma vítima fatal: o maquinista - até aquele instante. Houveram muitos ferimentos, claro, mas, por sorte, 8 dos 269 eram médicos e socorreram as vítimas num hotel onde os passageiros foram abrigados devido ao fenômeno meteorológico que tornava o resgate improvável; impossível mais propriamente dito. O que ninguém imaginava é que a tempestade demoraria tanto para passar, deixando, praticamente confinados, os passageiros - com um assassino entre eles.

"Esperávamos, da melhor forma que podíamos, que a tempestade acalmasse, que a ajuda chegasse. Esperávamos ir para casa. Enquanto isso, não havia muito o que fazer." 

Logo na primeira noite, um homem é assassinado à tiro de queima roupa. E na noite seguinte, outro também é morto, a que tudo indica, por uma estalactite. Enquanto, a ex-policial, um médico anão, uma advogado criminalista e a proprietária do hotel tentam encontrar uma característica que possa apontar o criminoso, mais eventos estranhos vão ocorrendo, e vai ficando cada mais difícil dormir em um espaço no qual todos sabem que há um assassino à solta.

"- Não sei se conseguiremos passar mais uma noite - eu disse baixinho, para que os outros não pudessem ouvir.- As noites neste lugar são o que mais me assusta. Até agora não tivemos uma única noite sem um assassinato." 

"1222" é um livro rápido e fácil de ler. Todavia, estaria mentindo se dissesse que é uma leitura prazerosa. Na verdade, beira quase o enfadonho. Reconheço que Anne Holt tem que capacidade brilhante para escrever coisas inúteis e infrutíferas para o enredo. Não é um livro péssimo, mas está longe de ser bom - e mais longe ainda do estilo de Agatha Christie.

Classificação:


4 comentários:

  1. Oi Gabi, tudo bem?

    Eita, detesto essa coisa de monologo interior do personagem. Além de tornar a leitura mais difícil, o personagem se torna 10x mais chato =P. Pena que vc não curtiu muito a leitura. Confesso que o livro não me chama a atenção.

    beijos
    Kel
    www.porumaboaleitura.com.br

    ResponderExcluir
  2. Gosto bastante do gênero, mas não conhecia o livro. É uma pena que ele não tenha gostado.
    Algumas vezes esses diálogos internos realmente enchem o saco.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de junho

    ResponderExcluir
  3. nao tem nada pior que se decepcionar com um livro já aconteceu isso comigo tbm

    tem uma coluna no meu blog que eu adoraria que você participasse http://amolivroscomcafe.blogspot.com.br/2014/06/sua-estante.html

    ResponderExcluir
  4. Muito legal o livro, super curtir
    Amei o blog e já seguindo
    Super Beijoo

    www.estersoaresblog.blogspot.com.br

    ResponderExcluir