quarta-feira, 14 de maio de 2014

Um pouco de literatura nacional #08

Olá, leitores!

Vamos às indicações da quinzena!

Simplesmente Ana, de Marina Carvalho

Imagine que você descobre que seu pai é um rei. Isso mesmo, um rei de verdade em um país no sudeste da Europa. E o rei quer levá-la com ele para assumir seu verdadeiro lugar de herdeira e futura rainha… Foi o que aconteceu com Ana. Pega de surpresa pela informação de sua origem real, Ana agora vai ter que decidir entre ficar no Brasil ou mudar-se para Krósvia e viver em um país distante tendo como companhia somente o pai, os criados e o insuportável Alex. Mudar-se para Krósvia pode ser tentador — deve ser ótimo viver em um lugar como aquele e, quem sabe, vir a tornar-se rainha —, mas ela sabe que não pode contar com o pai o tempo todo, afinal ele é um rei bastante ocupado. E sabe também que Alex, o rapaz que é praticamente seu tutor em Krósvia, não fará nenhuma gentileza para que ela se sinta melhor naquele país estrangeiro. A não ser… A não ser que Alex não seja esta pessoa tão irascível e que príncipes encantados existam. Simplesmente Ana é assim: um livro divertido, capaz de nos fazer sonhar, mas que — ao mesmo tempo — nos lembra das provas que temos que passar para chegar à vida adulta.

O Espadachim de Carvão, de Affonso Solano

Filho de um dos quatro deuses de Kurgala, Adapak vive com o pai em sua ilha sagrada, afastada e adorada pelas diferentes espécies do mundo. Lá, o jovem de pele absolutamente negra e olhos brancos cresceu com todo o conhecimento divino a seu dispor, mas consciente de que nunca poderia deixar sua morada. Ao completar dezenove anos, no entanto, isso muda. Testemunhando a ilha ser invadida por um misterioso grupo de assassinos, Adapak se vê forçado a fugir pela vida e se expor aos olhos do mundo pela primeira vez, aplicando seus conhecimentos e uma exótica técnica de combate na busca pela identidade daqueles que desejam a morte dos Deuses de Kurgala.



Antes do Baile Verde, de Lygia Fagundes

Reunião de narrativas escritas entre 1949 e 1969, Antes do baile verde é considerado por muitos críticos o livro de contos literariamente mais bem-sucedido de Lygia Fagundes Telles. As situações narradas são as mais diversas. Em "A caçada", um homem fica a tal ponto intrigado com uma velha tapeçaria encontrada num antiquário que acaba por mergulhar na cena retratada na peça, como se tivesse participado dela numa outra vida ou numa outra dimensão. Já no macabro "Venha ver o Pôr-do-Sol", um rapaz leva sua ex-namorada a um jazigo de família abandonado. Conflitos amorosos também são tema de "Apenas um Saxofone", "Um Chá bem Forte e Três Xícaras", "O Jardim Selvagem" e "As Pérolas". Mas o enfoque é sempre diverso e surpreendente.

Em "O Menino", por exemplo, uma infidelidade conjugal é observada de modo oblíquo, pelos olhos de um garoto que vai ao cinema com a mãe. Mas o escopo humano e literário de Lygia não se restringe aos dramas de casais. "Natal na Barca" é uma pequena parábola, com final epifânico. "Meia-noite em Ponto em Xangai" é o balanço que uma prima-dona da ópera faz de sua vida solitária e vazia. Em "O moço do Saxofone" um motorista de caminhão hesita em ir para a cama com uma mulher casada numa pensão de beira de estrada. Em "A Janela", um louco visita um bordel dizendo que é a casa onde seu filho morreu. Com sua prosa segura e elegante, alternando com desenvoltura gêneros e vozes narrativas, a autora expõe aqui no mais alto grau sua capacidade de seduzir e emocionar o leitor.

Qual chamou mais a atenção de vocês?

Beijos!

10 comentários:

  1. Simplesmente Ana me chamou mais atenção, vou colocar na minha lista! Estou precisando de um pouco de literatura nacional.
    Beijos escrevoporvicio.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Quero muito um dia ler Antes do Baile Verde. Já li um ou outro conto presente no livro, mas nunca o livro inteiro (nem o tenho, na verdade).

    Beijos, Livro Lab

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já vi boas criticas sobre esse livro! Algum dia ainda leio algum conto!
      Beijos

      Excluir
  3. Oi! Tudo bem?
    Já li alguns contos de "Antes do baile verde" e "Simplesmente Ana", foram ótimas dicas! Fiquei mais curiosa por O Espadachim de Carvão porque nunca tinha ouvido falar.
    Ótimo post!
    Bjs
    Kami
    http://gostoliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, estou bem e você?
      Você não é a primeira pessoa que diz isso! Tenho muita vontade ler os três.
      Beijos

      Excluir
  4. "O espadachim de carvão" é incrível! Preciso ler Lygia Fagundes, ela é muito boa.
    Bjos!
    http://seiqueeusei.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que achou de "O Espachim de Carvão"?
      Tenho vontade de ler!
      Beijos

      Excluir
  5. Oi Gabbe!

    Eu já tinha visto muitas vezes nas livrarias e na blogosfera tanto "Simplesmente Ana" quanto "O Espadachim de Carvão", mas finalmente parei pra ler sobre o que se tratavam. Estão definitivamente na minha wishlist, hahaha.

    Quanto a Lygia, eu já li um livro dela e gostei bastante, mas não estou com vontade de ler esse tipo de coisa no momento... Quem sabe um dia? rs.

    Eu gostei do post, normalmente tenho uma ideia bem restrita a o que é literatura nacional, e ele ampliou um pouco meus horizontes, haha.

    Um beijo!

    Alice.
    pirando-com-livros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que esse post a tenha ajudado! Fazemos isso justamente porque a literatura nacional é pouco difundida.
      Beijos!

      Excluir