quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Um pouco de literatura nacional #02

Bom dia, amantes dos livros!

Como dito anteriormente neste post, é bom para todos nós, leitores, começarmos a investir mais em nossa própria literatura. Hoje, porém, trarei da literatura nacional, grandes clássicos. Sendo assim, vamos à mais uma quinzena de indicações!

O Alquimista, de Paulo Coelho

O jovem pastor Santiago tem um sonho que se repete. O sonho fala de um tesouro oculto, guardado perto das Pirâmides do Egito. Decidido a seguir seu sonho, o rapaz se depara com os grandes mistérios que acompanham a raça humana desde a sua criação; o Amor, os sinais de Deus, o sonho que cada um de nós precisa seguir na vida. A peregrinação de Santiago, narrada pelo escritor Paulo Coelho em O alquimista transformou-se num dos maiores fenômenos literários. Caminhando em uma caravana pelo deserto do Saara, ele entra em contato com pessoas e presságios que lhe indicam o caminho a seguir. Entre eles, um misterioso personagem - um Alquimista. É quem irá ensiná-lo a penetrar na Alma do Mundo, e a receber todas as pistas necessárias para chegar até o tesouro.




Diálogos Impossíveis, de Luis Fernando Veríssimo

Drácula e Batman discutem no asilo. Robespierre tenta subornar o carrasco. Goya e Picasso conversam sob o sol da Côte d’Azur. Juvenal planeja matar a mulher, Marinei, que o despreza. A recém-casada Heleninha pede conselhos ao urso de pelúcia. Qual um existencialista dotado de senso de humor, Verissimo persegue em suas crônicas o absurdo que marca a existência humana – salvo engano, a única que se preocupa com o seu propósito, o seu término e se alguém está falando demais na hora do pôquer. Em nenhum momento essa maldição se torna mais evidente do que na hora em que o homem abre a boca. Então, o que era para comunicar acaba é “estrumbicando”. Nas crônicas reunidas neste volume, Luis Fernando Verissimo escreve sobre impossibilidade, incomunicabilidade e mal-entendidos. Escreve, enfim, sobre a vida.


A Hora da Estrela, de Clarice Lispector

A história da nordestina Macabéa é contada passo a passo por seu autor, o escritor Rodrigo S.M. (um alter-ego de Clarice Lispector), de um modo que os leitores acompanhem o seu processo de criação. À medida que mostra esta alagoana, órfã de pai e mãe, criada por uma tia, desprovida de qualquer encanto, incapaz de comunicar-se com os outros, ele conhece um pouco mais sua própria identidade. A descrição do dia-a-dia de Macabéa na cidade do Rio de Janeiro como datilógrafa, o namoro com Olímpico de Jesus, seu relacionamento com o patrão e com a colega Glória e o encontro final com a cartomante estão sempre acompanhados por convites constantes ao leitor para ver com o autor de que matéria é feita a vida de um ser humano.



Gostaram das indicações?


Beijos!

4 comentários:

  1. Eu adoro literatura nacional, mas tenho minhas preferências.
    Desses que você citou eu não tenho interesse e nem nunca li nenhum, porém não leria Paulo Coelho pois tenho receio. Minha própria família fala mal dos livros dele, rsrs.

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muita gente fala mal do Paulo Coelho. Mas acho errado criticar sem conhecer. Eu gostaria de ler muito algum livro para poder ter uma opinião formada. Quanto a Clarice Lispector não posso dizer o mesmo; amo de paixão!
      Beijos

      Excluir
  2. Já li O Alquimista. Gosto da maneira como o autor escreve. Contudo, não partilho do mesmo ponto de vista com relação à vida. Quanto aos outros autores, são inquestionáveis!

    Bjs

    https://www.facebook.com/aoutrasombra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho muita vontade de ler Paulo Coelho! Já pela Clarice eu tenho paixão por tudo que ela escreve. Acho que ela foi uma das escritoras mais brilhantes da literatura brasileira!
      Beijos

      Excluir