sábado, 28 de dezembro de 2013

[Resenha] O Duque e Eu, Julia Quinn - Os Bridgertons #1

Título: O Duque e Eu
Autora: Julia Quinn
Série: Os Bridgertons #1
Editora: Arqueiro
Páginas: 288
Onde comprar: Saraiva | Submarino

Julia Quinn surpreendeu com o primeiro livro da série Os Bridgertons. "O Duque e Eu" é uma história para rir e chorar, amar e sentir raiva. É um romance de duas faces, sendo uma delas o amor genuíno, e a outra, a paixão ardententemente desesperada.

LONDRES 1813:

A família Bridgerton - que conta com a viscondesa (viúva) e oito filhos - é largamente conhecida por sua integridade legítima: todos possuem a mesma estrutura corpórea e os mesmos cabelos castanhos.

Um dos indivíduos da prole é Daphne Bridgerton - uma moça que já tem idade para se casar, mas nenhum dos pretendentes é de seu agrado (uns têm idade demasiado avançada, outros são muito jovens, ou por fim, não têm inteligência nem títulos para merecê-la). Todavia, a vida de Daphne estava fadada a mudar.
Simon Basset, o duque - petulante - de Hastings acabara de voltar à Londres, depois de 6 anos de viagem pela Europa; e embora fosse o marido dos sonhos para todas as solteiras da cidade, Simon não pretendia se casar. Nunca. Mas, as circunstâncias passam a ser outras quando encontra Daphne Bridgerton - irmã de Anthony, seu melhor amigo - detentora de uma personalidade forte e própria - característica que agradou o duque mais o que ele gostaria de admitir.
"Ele ficou sem ar. Até então ela estivera oculta nas sombras, e tudo o que ele havia conseguido discernir da aparência dela tinham sido seus cabelos fartos e escuros. Mas agora, quando ela levantou a cabeça para encará-lo, ele constatou que tinha olhos grandes, também escuros, e a boca mais larga e exuberante que ele já vira. Seu rosto em formato de coração não era bonito segundo os padrões da sociedade, mas alguma coisa nele o deixou sem fôlego."
 Foi aí, então, que Simon trouxe uma ideia. Uma ideia que o manteria longe das mães desesperadas por um casório. Uma ideia que faria chover pretendentes aos pés de Daphne. A ideia de Simon era fingir que cortejava a Srta. Bridgerton. No entanto, o que ambos não podiam prever era que o fingimento não passava de um disfarce de seus verdadeiros sentimentos, e, a cada dia que passavam juntos, a paixão que crescia dentro deles tornava-se cada vez mais insuportável.

Sem saber como proceder, Daphne vai descobrir que o maior de seus problemas não é lidar com o amor que nutre pelo duque. Ainda tinha que enfrentar o ciúme homícida de seu irmão Anthony, e, principalmente, a promessa interior de Simon - a de que nunca se casaria.
"Ele não poderia tê-la naquela noite - nunca poderia tê-la - e precisava fazer aquele toque durar uma vida inteira."
O duque de Hastings por sua vez, vê-se dividido entre o que sente por Daphne e entre as mágoas e traumas de seu passado, as quais o impedem de viver feliz com a mulher que mais ama.

"- Não faça isso, Daphne.
Os dedos dele se afrouxaram um pouco no pulso dela, mas continuaram segurando, enquanto ela a puxava para junto de si e em direção a uma cerca viva alta e muito bem podada. Então sussurrou seu nome e tocou em seu rosto.
Os olhos dela se fecharam e os lábios de entreabriram.
E, no fim, foi inevitável." 
O amor de Daphne pelo duque é maior que o imaginável: ela estava disposta a abrir mão do que mais desejava por ele - uma família. Daphne aceita os limites do duque e, para evitar a morte dele - após os beijos em público - eles se casam, aprendem a se gostar e passam por muitas provações. Por fim, Daphne consegue convencer Simon a deixar para trás seus traumas - a rejeição do pai, a gagueira e a morte da mãe.
"- N-não é isso - retrucou ele, balançando a cabeça. Soltou um suspiro impaciente - Eu não... quero... viver apenas p-para contrarias meu pai."
Julia Quinn criou uma história fascinante, tratando o passado - 1813 -, onde as mulheres não tinham as mesmas liberdades que hoje dispomos. Sendo sobre um amor inabalável, o romance é ao mesmo tempo heróico e erótico. Trás como tema, também, uma família unida, e como traumas antigos podem influenciar nossas escolhas mas, principalmente, como devemos superá-los por alguém que amamos.

Classificação:

Nenhum comentário:

Postar um comentário